Watch live streaming video from occupynyc at livestream.com

quinta-feira, 31 de março de 2011

Assad afirma que Síria é vítima de "conspiração internacional"


O presidente sírio, Bashar al Assad, falou à nação, esta quarta-feira, pela primeira vez desde o início da revolta popular no país. Mas não anunciou as esperadas reformas e acusou as forças internacionais de conspiração. Depois do discurso, os manifestantes voltaram a invadir as ruas.

A Síria enfrenta uma "conspiração internacional", afirmou o presidente sírio, num discurso feito a partir do parlamento e transmitido pela televisão.

Foi a primeira intervenção pública de Bashar al Assad desde o início das manifestações contra o regime em 15 de Março. Mas sem anunciar reformas políticas nem o esperado levantamento do estado de emergência, o discurso defraudou as expectativas.

"Esta conspiração é diferente pela forma e pelo momento escolhido, que coincide com vários conflitos noutras partes no mundo árabe", afirmou, para justificar que "uma grande conspiração internacional usou falsas informações para instigar as diferenças étnicas e levar o povo às ruas."

Assad afirmou que é "completamente favorável a reformas", mas "avesso a divisões". E esclareceu que a luta contra a corrupção e o desemprego, a preservação da estabilidade e "a saúde das crianças" são mais importantes neste momento do que a suspensão da lei de emergência em vigor desde 1963 - apesar de constituir a principal exigência dos manifestantes.

"A Síria não está isolada da região, não somos uma cópia dos outros países", avisou Assad, acrescentando que os protestos "são um teste à união" dos sírios e irá "derrotar" os inimigos. "A minha missão é supervisionar a segurança e estabilidade deste país".

"Já ouvimos este discurso"

As declarações do presidente foram recebidas com aplausos dos deputados, que gritaram "com o nosso sangue, com a nossa alma, sacrificar-nos-emos por ti, Bashar". No entanto, poucas horas depois, os manifestantes voltaram a invadir as ruas da cidade portuária de Lattaquié, principal porto da Síria, pedindo "liberdade".

As forças de segurança terão disparado indiscriminadamente para dispersar as pessoas. Isto apesar de o presidente sírio ter garantido no parlamento que as forças de segurança receberam "instruções claras" para não atingir cidadãos durante os protestos. A estação de televisão CNN avançou que pelo menos uma pessoa morreu no tiroteio.

De acordo com a página da rede social Facebook, "Revolução Síria 2011", também em Deraa, a 100 quilómetros a Sul de Damasco, o povo saiu à rua exigindo a demissão de Bashar al-Assad.

"Já ouvimos este discurso. Dizem sempre que é preciso uma mudança, fazer qualquer coisa, mas na verdade não acontece nada", afirmou o militante dos direitos cívicos sírio Haitham Maleh, citado pela agência France Presse.

Para um dissidente sírio exilado no Líbano, Khalil Hassan, o discurso constituiu uma falta de respeito para com o movimento de protesto. "Não mostrou qualquer respeito pelas figuras da oposição ou pelos mártires sírios dos últimos anos", disse Hassan, do Comité para as Vítimas de Tortura nas Prisões do Regime Síria, organização sedeada em Beirute.

Ao diário britânico "Guardian", um manifestante garantiu: "Este é o fim da Síria." E acrescentou: "Já que não houve qualquer intenção de fazer reformas, podia ter havido um pedido de desculpa pelas mortes."

fonte: JN

quarta-feira, 30 de março de 2011

CNN Segment On Libya Titled “The New World Order”

Japão pede aos EUA que bloqueiem sites populares na internet


Num esforço para melhorar a recuperação a partir do recente terremoto e tsunami que atingiram o Japão, os militares decidiram bloquear a utilização de determinados sites de sua rede. Militares japoneses têm mostrado que esses sites não estão sendo bloqueados por algum motivo de conteúdo, mas apenas para melhorar a largura de banda necessária para as necessidades militares. O Comando do Pacífico dos EUA recebeu um pedido para bloquear os 13 sites de uso mais elevado de tráfego, comumente utilizado em redes militares, como o YouTube, Google Video, Amazon, eBay, Myspace e MTV.com.

Numa nota mais interessante para o controle de banda é a continuação do uso do Facebook no Japão. O local é considerado um dos portais de mais alto uso de banda na região, mas ele vai ficar instalado e funcionando, devido à sua crescente utilização pelos militares mobilizados. Facebook é a forma mais comum de ficar em contacto com entes queridos e foi decidido que é uma importante ferramenta na recuperação do desastre.

O porta-voz do Comando Estratégico Militar Rodney Ellison declarou a CNN.com, "Esta é uma resposta a um momento de demanda extrema para as redes. Esse bloqueio vai ser de natureza temporária e pode aumentar ou diminuir o tamanho e alcance, se necessário. Estamos a fazer isso para facilitar os esforços de recuperação em curso no Japão. Estamos tentando ter certeza que estamos dando a eles muitas avenidas e o máximo de apoio quanto pudermos".

domingo, 27 de março de 2011

Lei autoriza Estado a gastar (muito) mais já em Abril


Numa altura em que o discurso político vai no sentido da conter custos, Governo aumenta os montantes que podem ser gastos por ajuste directo e sem concurso público.

Ministros, autarcas e directores-gerais, a partir de Abril todos estão autorizados a gastar mais dinheiro. No caso dos presidentes de câmara, o montante dos contratos que podem decidir por ajuste directo pode chegar aos 900 mil euros (até agora o máximo era 150 mil). Isto porque na véspera do debate parlamentar sobre a quarta versão do Plano de Estabilidade e Crescimento (PEC), que incluiu cortes nas pensões e nos benefícios sociais, o Governo fez publicar em Diário da República o Decreto-Lei 40/2011, que estabelece as novas regras para autorização de despesas com os contratos públicos.

fonte: DN

Coligação de Merkel sofre mais uma humilhante derrota


Pode ser o princípio do fim de Angela Merkel, mas sobretudo da CDU, no poder há 58 anos em Baden-Wurttemberg, estado federado que este domingo perdeu para os Verdes. Das sete eleições regionais que a Alemanha enfrenta este ano, esta era a mais importante.

Baden-Württemberg, um dos estados federados mais importantes e mais ricos da Alemanha (detentor de empresas como a Porsche), era a prova de fogo para a coligação de centro direita liderada pela CDU da chanceler alemã Angela Merkel. Mas a prova não foi superada. Depois de quase seis décadas no poder, a CDU perdeu para a coligação dos Verdes e do Partido Social Democrata (SPD).

Este domingo, ao início da noite, os resultados provisórios indicam que os Verdes e o SPD devem obter, em conjunto, 48,5% dos votos. A CDU) e os liberais democratas (FDP), seus parceiros no governo nacional, devem ficar-se pelos 43%. Jornais como o "Der Spiegel" e o "Die Welt", afirmam que é o princípio do fim de Merkel, que tem vindo a perder pontos em todas as frentes.

De acordo com os analistas, esta derrota significa uma reviravolta ao nível da governação nacional, uma vez que reduzirá o peso da coligação da chanceler alemã no Parlamento, onde Merkel não tem maioria, dificultando a aprovação de legislação. A mudança de rumo na política nuclear anunciada pela chanceler - 70% dos alemães apoia o encerramento definitivo das centrais nucleares mais antigas, mas interpretaram a decisão de Merkel de encerrar sete centrais como uma acção puramente eleitoralista - e a impopularidade do actual primeiro-ministro regional, Stefan Mappus (CDU) são apontados como factores que ajudam a explicar a derrota nas eleições da coligação conservadora-liberal. O conflito na Líbia e a crise da dívida na zona Euro são também apontados como argumentos.

O partido ecologista ganhou muito terreno nos últimos dias e agora confirmou a ascenção. "É um sonho tornado realidade. Até há poucos dias, não imaginávamos que pudéssemos obter este resultado", foi a primeira declaração de Franz Untersteller, porta-voz dos Verdes. Por outro lado, Guido Westerwelle, ministro dos Negócios Estrangeiros e líder da FDP, admitiu que "os resultados foram decepcionantes." Mas acrescentou: "A política energética foi o factor decisivo. Foi uma votação sobre o futuro da energia nuclear. Entendemos isso e vamos discutir o assunto em Berlim".

Já em Fevereiro, antes do desastre ambiental no Japão, a CDU já tinha perdido o governo de Hamburgo para o SDP. E na semana passada, também sentiu dificuldade em vencer as regionais na Saxónia-Anhaltk. Em Renânia-Palatinado, onde este domingo também houve eleições, a CDU manter-se-á na oposição.

fonte: JN

FALSIFICAÇÃO DE MOEDAS DE PRATA

quinta-feira, 24 de março de 2011

Homens da Luta despedem-se de Sócrates


Depois da sátira a Miguel Sousa Tavares, os Homens da Luta, duo musical que vai representar Portugal no festival Eurovisão, publicaram um vídeo onde dizem que José Sócrates "tem mais encanto na hora da despedida".

No YouTube, os Homens da Luta justificaram ontem a publicação: "Camaradas pá, os Homens da Luta não têm palavras para descrever um momento tão triste para a luta, pá... por isso fizeram-no através de uma canção... 'Zé Socras'". O "momento" é a demissão do primeiro-ministro, José Sócrates, após o chumbo do PEC IV na Assembleia da República.

Os Homens da Luta adaptaram o fado de Coimbra "Balada da Despedida" (cujos versos iniciais são "Coimbra tem mais encanto/Na hora da despedida"), de Fernando Machado Soares, e dizem que "Zé Socras [José Sócrates] tem mais encanto/Na hora da despedida".

O duo, composto por Jel e Falâncio, foi eleito, na maioria por televoto, para representar Portugal na Eurovisão, no último Festival RTP da Canção.


fonte: DN

quarta-feira, 23 de março de 2011

Índia diz que a Monsanto, disfarçadamente, conduziu experiências com alimentos geneticamente modificados, sem aprovação


Relatórios recentes da Índia dizem que a gigante multinacional de biotecnologia Monsanto mais uma vez contornou a lei por plantar clandestinamente culturas geneticamente modificadas (GM) de milho sem receber autorização para faze-lo. Nitish Kumar, ministro-chefe do Estado indiano de Bihar, escreveu recentemente uma carta ao ministro do ambiente da Índia, Jairam Ramesh, explicando a situação. Poucos dias antes, Ramesh havia negado a permissão da Monsanto para plantar as culturas.

A Monsanto continuou a plantar seu milho GM em vários locais em Bihar, bem como em vários outros estados indianos, mesmo com a aprovação final ainda estando pendente. A GEAC (Comité de Aprovação de Engenharia Genética) e a ICAR (Conselho Indiano para Engenharia de Agricultura) parecem ter sido integrados com a agenda da Monsanto o tempo todo pois permitiram que a empresa continuasse com suas plantações experimentais.

A Monsanto também violou os requisitos de "distância de isolamento" que restringem as plantações GM dentro de uma certa distância das plantações não-GM. Incidentes anteriores revelaram que os produtos GM podem facilmente contaminar os não-GM e arruinar a integridade de lavouras inteiras.


Sócrates apresentou demissão do Governo


O primeiro-ministro apresentou esta quarta-feira a demissão do Governo ao presidente da República durante uma audiência no Palácio de Belém. Numa declaração ao país, José Sócrates justifica a sua decisão pelo facto a oposição ter "de forma consciente" retirado ao Governo "todas as condições" e afirma que irá a votos nas próximas eleições.

"Sempre alertei para as consequências negativas da ajuda externa", declarou Sócrates, acrescentando que o Governo "sempre se mostrou disponível, até ao último minuto, para o consenso". "Fui o único a fazer esse apelo e lamento que nenhuma força política tenha respondido", afirmou Sócrates.

O primeiro-ministro lembrou ainda que o programa recentemente apresentado mereceu o "apoio da instituições internacionais e da União Europeia" e que a rejeição por parte da oposição apenas se explica pela "sofreguidão pelo poder". "Há quem faça tudo para enfraquecer o Estado Português", na véspera de uma cimeira "decisiva para Portugal e para a Europa", acusou.

Sócrates atirou ainda a responsabilidade da crise política para aqueles que "fazem tudo para colocar o interesse político-partidário à frente do interesse nacional.

Esta crise é, por isso, nas palavras de Sócrates, "inevitável", "desnecessária" e "inoportuna". "Hoje o país perdeu, não ganhou", concluiu Sócrates.

Sócrates disse ainda que o país não vai ficar sem Governo e que continuaria em funções, com as limitações de um governo de gestão, e que "cumprirá o seu dever". Acrescentou, por fim, que se irá "submeter à decisão do povo e que confia no seu julgamento"; confirmando a sua intenção de se apresentar às eleições como líder do Partido Socialista.

fonte: JN

segunda-feira, 21 de março de 2011

Acidente Nuclear


Mais uma vez, o jogo de cartas «Illuminati NWO the game» de Steve Jackson acertou.

Essas cartas têm acertado sempre no que irá acontecer (o jogo foi lançado em 1995 ).

Há cartas com o Pentágono, com o World Trade Center, desastre de plataforma petrolífera no golfo do México, etc.

E aqui fica esta, sobre um acidente Nuclear :


(feita em 1995)

fonte: Blog Realidade Oculta

Download do Programa de Estabilidade e Crescimento_2011 - 2014


Clique na imagem

Fonte: DN


Centro de comando de Kadhafi atingido por míssil


Um centro de comando do presidente líbio foi bombardeado no domingo, em Trípoli, pelas forças aliadas do Ocidente.

O edifício foi destruído na sequência de um míssil lançado durante o ataque aéreo conduzido no domingo pelas forças da ONU, composta por tropas norte-americanas, francesas e britânicas.

Nesse edifício estava sediado um centro de comandos operacional de Muammar Khadafi, segundo avança a BBC.

Um porta-voz do governo Líbio, Ibrahim Musa, adiantou que o ataque aéreo tinha como alvo «um edifício administrativo».

A destruição do edifício surge após oficiais da força de intervenção da ONU terem assegurado que o líder do regime líbio, Muammar Khadafi, não seria um alvo da intervenção militar no país.

O Chefe da Defesa Britânico, David Richards, garantiu que o líder líbio «não é absolutamente um alvo», pois tal «não é previsto ou permitido pela resolução da ONU».

O Ministro da Defesa Francês, Laurent Tesseire, sublinhou que a intervenção visa unicamente proteger a população civil.

Quando questionado sobre se o ataque visava o líder do regime, o dirigente francês respondeu: «A resposta é não».

O Vice-administrador da Marinha dos EUA, William Gortney, referiu apenas que a «a restrição do espaço aéreo está efectivamente a decorrer», com a ONU a controlar toda a área entre Tripoli e Bengazi (cidade base das forças rebeldes ao regime).

Segundo a resolução aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU, foram autorizadas «todas as medidas necessárias» com vista à protecção da população contra as forças do regime de Khadafi.

Segundo um oficial Líbio, foram apurados até agora 64 mortos na sequência dos ataques conduzidos pela ONU durante o fim-de-semana.

fonte: Sol

Homens da Luta satirizam Miguel Sousa Tavares


Homens da Luta publicaram o vídeo da música na sua página do facebook


Não há polémica que assuste ou pare a dupla Jel e Falâncio. Depois da polémica vitória no Festival RTP da canção, da participação na manifestação da “geração à rasca”, os Homens da Luta fizeram agora uma música a criticar Miguel Sousa Tavares.

Na música, “Mudam-se os tempos, mudam-se os Tavares”, os Homens da Luta satirizam o escritor e comentador Miguel Sousa Tavares, comparando-o com o seu pai, Francisco Sousa Tavares.

Na origem da nova música, poderão estar as recentes declarações de Miguel Sousa Tavares no “Jornal da Noite”, na SIC, onde criticou a música vencedora “A Luta é Alegria” e a postura dos Homens da Luta. “Não deixa de ser irónico pensar que esta canção, com esta letra, vá representar Portugal na Alemanha, em cuja plateia e em cujos televisores hão-de estar os alemães a quem nós andamos a pedir dinheiro”, disse o comentador em directo, acrescentando que “a demagogia é a coisa mais popular que existe e mais irresponsável e mais perigosa”. “Os demagogos aparecem sempre nos momentos de crise”, concluiu Miguel Sousa Tavares.

Os Homens da Luta não perderam tempo e preparam uma resposta que publicaram no seu facebook no fim-de-semana. "Mudam-se os tempos, mudam-se os Tavares", é uma adaptação da canção de José Mário Branco, com música de Jean Sommer, do tema "Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades", onde a letra foi alterada, fazendo uma comparação entre Miguel Sousa Tavares e o pai.

“Mudam-se os tempos, mudam-se os Tavares. De pai para filho houve uma mudança. E se o primeiro [Francisco Sousa Tavares] gritava na rua, o segundo [Miguel Sousa Tavares] é um vaidoso profissional da cagança. E se nos Tavares também houve uma mudança é porque o pai educou mal a criança” cantam os Homens da Luta num vídeo que não pára de circular na internet.

fonte: Público

domingo, 20 de março de 2011

Até mães solteiras perdem abono


Alexandra, uma adolescente e mãe solteira, viu o Estado tirar-lhe dez euros do abono de família, do filho de três anos. A ganhar o sustento num salão de cabeleireiro, a jovem, que já vivia com muitas dificuldades, debate-se agora com graves problemas ao receber apenas 35,19 euros.

A diminuição das prestações familiares, que começou em Janeiro, afectou todos os escalões, chegando às pessoas com menores rendimentos, como é o caso de mães solteiras adolescentes, casais desempregados e com muitos filhos.

Nessa situação, estão muitas das jovens mães com dificuldades acompanhadas pelo Ponto de Apoio à Vida (PAV). Algumas estão mesmo institucionalizadas e vivem na Casa de Santa Isabel, em Lisboa.

Actualmente são seis as adolescentes a viver na instituição, conta ao SOL Mara Mota, assistente social e directora técnica da Casa. Todas mães pela primeira vez vão ter de viver com abonos de família reduzidos, apesar de não terem qualquer apoio familiar.

O número de mães a procurar o apoio do PAV, sem implicar a institucionalização, disparou nos últimos meses. Em 2010, 1931 mulheres pediram ajuda e destas 274 são novos casos. «Por mês, temos entre 30 a 40 mais mulheres a pedir-nos apoio», adianta Mara Mota. O que está em questão, explica a assistente social, é que «neste tipo de população, uma redução nos apoios, por menor que seja, faz muita diferença». E acrescenta: «Piora situações já muito difíceis».

Pedidos de ajuda disparam

As mesmas dificuldades enfrentam também muitas mulheres com mais do que um filho que perderam a majoração recebida até Dezembro passado. «Estamos a falar de mães muito jovens, sem estruturas de apoio, que têm de recorrer a creches para poder trabalhar».

Na associação O Companheiro, os pedidos de ajuda dispararam em Janeiro. «Em relação a 2010, tivemos um grande aumento. Em Janeiro de 2011, 130 pessoas pediram a nossa ajuda. No ano passado, foram 97», refere Sílvia Moço, da instituição que apoia antigos reclusos e também as suas famílias.

Estas situações são ainda mais graves, acrescenta, porque além da perda nos abonos de família, há também situações de desemprego em que as famílias ficaram sem o rendimento social de inserção.

E não são apenas os mais desfavorecidos a solicitar ajuda a esta associação - que pode ir dos bens alimentares, distribuídos pelo Banco Alimentar, a roupas, mobílias, entre outros. «Reparámos num aumento muito significativo nos pedidos de ajuda de famílias da classe média», diz Sílvia Moço.

Uma diferença premente no auxílio prestado pela instituição sente-se nos géneros alimentares: «Se antigamente distribuíamos mais secos, hoje entregamos mais frescos, pelo menos uma vez por semana».

Também no Grupo de Acolhimento e Partilha se verificou um aumento nos pedidos de ajuda. O motivo apontado é semelhante: às situações já dramáticas vividas pelas famílias, juntou-se a diminuição no abono de família ou mesmo a perda.

Basta que o rendimento bruto dos elementos do agregado familiar seja superior a 638 euros mensais, para que a prestação seja retirada pelo Estado.

Foi o que aconteceu a 125 mil portugueses, segundo dados avançados pela Segurança Social. Com as novas medidas, de redução nos subsídios sociais, o Executivo de José Sócrates espera arrecadar 83.500 euros. 90% desse valor são cortes nos abonos de família.

Desempregados sem apoio

Apesar de se encontrar desempregada desde Dezembro de 2009, Marta Vasconcelos, de 41 anos, perdeu o abono dos seus quatro filhos com idades entre um ano e meio e os 13 anos. E Marta não é a única desempregada na família. A meio do ano passado, o marido, Francisco, também com 41 anos, perdeu o emprego como gestor no ramo automóvel.

Por isso, critica o facto de, para a atribuição do abono, o Estado não ter em conta a situação de IRS actual, mas a do ano anterior. «O desfasamento temporal na prova de rendimentos que temos de entregar, o IRS, é injusto», considera Marta Vasconcelos.

Meia-criança

Para José Aguiar, de 32 anos, esta medida do Governo também não chegou sozinha. Além da descida no ordenado da mulher, funcionária pública de 34 anos - que viu o salário reduzido em cerca de 200 euros -, José perdeu o direito ao subsídio dos três filhos, de três, seis e 14 anos.

Recebia 89 euros por mês, que ajudavam a pagar a natação ou as fraldas do mais novo, por exemplo. «Com o aumento do IVA, as reduções nas deduções com despesas de saúde e educação e os cortes no abono ficámos com menos 430 euros por mês. Faz muita diferença», garante.

Também no antigo 5.º escalão, Carla Ribeiro, de 36 anos, com três filhos de dois, três e quatro anos, perdeu todos os direitos ao abono ou majorações. «Percebi que, para o Governo, até aqui uma criança valia um, agora vale meio», revolta-se.

fonte: Sol

Ponto de situação da AIEA sobre os 6 reactores de Fukushima


A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) publicou hoje um relatório que apresenta um ponto de situação dos seis reactores da central nuclear japonesa de Fukushima.

Segundo a descrição, baseada em documentos confirmados pelas autoridades japonesas, a água dos reactores 1, 2 e 3 cobre cerca de metade das barras de combustível, uma situação que danifica o combustível.

Reactor 1

A elevada pressão dentro do edifício de contenção levou os trabalhadores a libertarem o gás do mesmo. A 12 de Março, uma explosão destruiu parte do edifício do reator. Não há indícios de problemas e continuam os esforços para bombear a água do mar para o reactor.

Reactor 2

Depois da explosão de 15 de Março, oficiais japoneses expressaram preocupação de que o sistema de contenção do reactor poderia não estar intacto.

A 18 de Março, funcionários da Agência Japonesa de Segurança Nuclear e Industrial informaram que um fumo branco continuava a sair do edifício.

Continuam os esforços para bombear água do mar para o reactor.

Reactor 3

Devido à crescente pressão dentro do reactor, os trabalhadores libertaram o gás.

A 14 de Março, uma explosão destruiu parte do edifício e alguns funcionários japoneses expressaram receios de que o sistema de contenção do reactor poderia não estar intacto.

Responsáveis da Agência Japonesa de Segurança Nuclear e Industrial informaram a 18 de Março que fumo branco continuava a emergir do edifício.

Prosseguem os esforços para bombear água para o núcleo do reactor.

Neste reactor, que contém plutónio, causa especial preocupação a situação do depósito de combustível, pois «há muitos indícios de que o nível de água não seja o adequado». As autoridades japonesas estão a combater este problema vazando água a partir de helicópteros.

Reactor 4

Todo o combustível havia sido retirado do reactor antes do terramoto para proceder a trabalhos de manutenção.

Parte do edifício foi destruída pela explosão no reactor 3, a 14 de Março, e dois incêndios foram registados, possivelmente um deles no depósito, que foi extinto de forma espontânea.

«As autoridades estão preocupadas com a situação do depósito», disse a AIEA.

Reactores 5 e 6

Parados antes do terramoto, não há preocupações com possíveis riscos imediatos. No entanto, os instrumentos de medição de combustível de ambos os reactores mostraram um aumento gradual das temperaturas.

Os trabalhadores activaram dois motores de diesel no reactor 6 para activar a circulação de água nos depósitos de combustível e nos reactores 5 e 6.

fonte: Sol

Manifestantes contra presença de Obama no Rio de Janeiro


Um grupo de manifestantes reuniu-se hoje, no Rio de Janeiro, para protestar contra a presença do presidente dos EUA, Barack Obama, no Brasil.

A previsão dos organizadores de reunir cerca de 500 manifestantes concretizou-se e os activistas se reuniram no centro da cidade. Munidos de bandeiras de partidos políticos, os activistas gritavam palavras como "Obama go home!" e "O pré-sal é nosso!", num protesto contra o acordo assinado entre os dois países para explorar as recentes descobertas de petróleo, no Brasil.

"O protesto é uma crítica à visita de Obama, ao interesse norte-americano no pré-sal e aos ataques à Líbia", disse à Lusa o líder sindical Rafael Duarte. Segundo ele, os movimentos sociais defendem que as recentes reservas de petróleo, descobertas abaixo da camada de sal, no litoral brasileiro, sejam utilizadas para desenvolver o Brasil.

"O petróleo é nosso, o pré-sal não tem que servir para o Brasil tornar-se um grande exportador mundial, é uma riqueza preciosa", disse Duarte. Os manifestantes foram acompanhados por um forte esquema de segurança, que inclui viaturas, agentes disfarçados e dezenas de polícias a cavalo.

Para evitar um possível confronto entre polícias e manifestantes, os organizadores do protesto desistiram de se aproximar do Teatro Municipal, onde Barack Obama fará um discurso para cerca de 800 convidados. Os activistas fizeram em voz alta um juramento prometendo não entrar em confronto com as forças de segurança. "Reiteramos a nossa preocupação em não fazer qualquer tipo de provocação. Isso é uma manifestação unitária e pacífica", salientaram os manifestantes. Na última sexta-feira, 13 manifestantes foram detidos durante um protesto com a visita de Obama, em frente ao consulado norte-americano, no Rio de Janeiro.

fonte: DN

sábado, 19 de março de 2011

24 rebeldes mortos por um drone norte-americano


Pelo menos 24 rebeldes islamitas foram mortos hoje por mísseis disparados por um drone (avião não tripulado) norte-americano no noroeste do Paquistão, segundo um novo balanço das forças de segurança paquistanesas citado pela AFP.

O ataque aconteceu em New Adda, na comuna de Datta Khel, no distrito tribal do Waziristão do Norte, bastião dos talibãs paquistaneses e dos combatentes estrangeiros da Al-Qaida.

Este foi o sétimo ataque deste tipo em nove dias.

fonte: DN

terça-feira, 15 de março de 2011

'Já basta': novo movimento nos blogues e redes sociais


Um grupo de «bloggers» lançou hoje nos blogues e redes sociais o movimento Já basta , exigindo a demissão do Governo, dizendo-se «provenientes das mais diversas áreas políticas», assumem que foram incentivados pela mobilização do protesto da Geração à Rasca .

«Esta ideia nasceu de conversas informais entre bloggers, pessoas de esquerda, de direita, sem partido e independentes, que consideram que este Governo deve sair, seja demitindo-se, seja pela exoneração», disse à Lusa Fernando Moreira de Sá, do blogue Aventar , um dos que consta no conjunto de blogues.

Na rede social Facebook, definem-se como «um movimento de bloggers portugueses provenientes das mais diversas áreas políticas unidos por um objectivo comum», a «demissão/exoneração do actual Governo».

O movimento reúne blogues como o 31 da Armada, Blasfémias, Delito de Opinião, Albergue Espanhol, Nortadas, O Insurgente, entre outros.

«Apesar de esta ideia já vir de trás, não nego que houve um stop para ver o que dava o protesto da Geração à Rasca. As manifestações provaram que já existe uma atitude além da que se toma sentado numa cadeira», afirmou Fernando Moreira de Sá.

Segundo este blogger, «a ideia nasceu de conversas informais entre vários bloggers» sendo o «cimento agregador» a ideia de que o Governo deve sair, sem concretizarem se deve ser exonerado ou se deve demitir-se.

«É isso que junta pessoas de blogues diferentes, como o Aventar, mais à esquerda e o 31 da Armada, de direita».

fonte: Sol

segunda-feira, 14 de março de 2011

Bank of America: Anonymous antecipa revelação de documentos


O grupo de 'hackers' Anonymous publicou na Internet documentos sobre o Bank of America, depois de meses de especulação sobre informações de que o WikiLeaks teria em mãos sobre os principais bancos ocidentais. Mas boa parte das ligações estão em branco.

Foi no Twitter que o utilizador OperationLeakS anunciou a publicação de documentos internos do Bank of America, nomeadamente sobre as operações relacionadas com empréstimos automóvel e imobiliário e respectivos seguros de crédito levadas a cabo pela Balboa Insurance, subsidiária do banco norte-americano. Um antigo empregado mostra como as principais seguradoras contratavam empresas como a Balboa para monitorizarem os créditos e alega que foram cometias fraudes.

Mas, segundo o Daily Telegraph, muita da informação publicada pelo Anonymous "aparenta ter sido removida rapidamente", pois "muitos links levam-nos para páginas em branco".

Julian Assange, fundador do WikiLeaks, afirmou no ano passado que no início deste ano iria divulgar "dezenas ou centenas de milhares de documentos" de um banco norte-americano.

fonte: DN

domingo, 13 de março de 2011

A Magia da Crise

"Geração à Rasca" lança Fórum das Gerações e promete novos protestos


Imagem do protesto de sábado no Porto

O protesto da "Geração à Rasca", que juntou cerca de 300 mil pessoas de todas as idades, deu agora lugar ao "Fórum das Gerações", plataforma de debate no Facebook lançada pelos organizadores da manifestação que, em apenas três horas, reuniu este domingo, 80 páginas de comentários. E há apelos para novas concentrações, como a "Manifestação Geração da Esperança", para o próximo dia 26.

O "Fórum das Gerações - 12/3 e o Futuro" já tinha, ao princípio da tarde, dois mil aderentes. Entre vários balanços ao protesto, pedem-se alternativas, lançam-se sugestões e apela-se a que o movimento não fique por aqui. "Gerações unidas nunca mais serão vencidas" é uma das mensagens expressas do Facebook. Pelo meio, existem pedidos para a criação de um movimento político ou mesmo de um partido, que inclua a Esquerda e a Direita.

Há, também, promessa de novas manifestações. "Quem alinha? É importante continuar...", escreve, por exemplo, o membro do fórum André Lopes, anunciando a "Manifestação Geração da Esperança", a realizar "em todo o Portugal", no dia 26 deste mês, às 15 horas. "Para a frente é o caminho! Não podemos parar agora", reforça Inês Reis, pedindo que todos participem nesta concentração.

Alguns membros apelam, ainda, à adesão à manifestação da CGTP, do próximo dia 19. E há quem reclame a criação do dia nacional contra a precariedade no trabalho, aproveitando para divulgar a petição pública para o efeito.

No novo fórum da rede social, não é esquecida a revolução de 1974, com apelos à presença na "manif 25 de Abril à Rasca" para esse dia, também às 15 horas e por todo o país.

fonte: JN

sábado, 12 de março de 2011

Organização fala em 300 mil participantes em todo o país


A adesão ultrapassou os números previstos, disse à Lusa Paula Gil, da organização. As autoridades não confirmam estes números.


A organizadora do protesto considerou que a adesão de manifestantes mostra que "a precariedade afecta toda a gente na sociedade, tendo ultrapassado largamente os 60 mil que se previam". "Esperemos que seja o primeiro passo para uma democracia participativa em Portugal", disse. As autoridades, no entanto, não confirmam os números.

Paula Gil adiantou que a organização recebeu ao longo do protesto milhares de folhas nas quais a maioria dos participantes apontava as razões para a sua presença na iniciativa.

200 mil em Lisboa

A manifestação do movimento "Geração à rasca", convocada a partir de redes sociais, encheu hoje a Avenida da Liberdade, teve muitos jovens, poucos políticos, organização caótica e movimentos totalmente heterogéneos, desde neo-nazis aos defensores dos direitos homossexuais.

Outra originalidade desta "manif" é que não houve quase organização. Desceu-se até ao Rossio, mas ninguém sabia bem onde o protesto acabava. Os "slogan" e as palavras de ordem também variaram muito, tendo em comum apenas um ponto: A crítica à política do Governo.

80 mil no Porto

No Porto, segundo a organização, estiveram presentes cerca de 80 mil pessoas, enchendo a Avenida dos Aliados, apesar da manifestação ter tido um começo tímido.

Os números foram avançados pelos porta-vozes do protesto com base numa estimativa ponderando a capacidade da Avenida dos Aliados, uma das principais vias de comunicação do Porto, mas não foram confirmados pelas autoridades.

Os manifestantes começaram a concentrar-se a partir das 14:30 na Praça da Batalha e seguiram depois para a Avenida dos Aliados que estava cortada ao trânsito cerca das 17:00.

Resto do país

O protesto da "Geração à Rasca" juntou em Castelo Branco cerca de duas centenas de pessoas junto ao tribunal, no centro cívico da cidade.

A manifestação encheu as Portas da Cidade, local emblemático de Ponta Delgada e desmobilizou frente ao Palácio da Conceição, edifício do Governo Regional dos Açores.

Em Faro, os manifestantes reuniram-se no Largo de São Francisco, com os organizadores a falarem em mais de duas mil pessoas, sublinhando que se pretendia um ambiente pacífico e com gente de todas as idades.

Alguns milhares de pessoas participaram, em Braga, no protesto "Geração à Rasca", gritando palavras de ordem contra o Governo, a precariedade e o desemprego no distrito. A manifestação começou com algumas dezenas de jovens na Avenida Central da cidade, mas à medida que o tempo ia passando, foram-se juntando mais pessoas de todas as idades, chegando a alguns milhares, que enchiam a Praça da República, contígua à Avenida Central.

Em Coimbra, os manifestantes esperavam que a concentração, na Praça da República, contasse com mais participantes que aqueles que reuniu e que ocuparam menos de metade da placa central do emblemático recinto.

Ao minuto das manifestações em Lisboa e no Porto

19.35 - Centenas de pessoas voltaram a subir a Avenida da Liberdade, em Lisboa. A polícia foi obrigada a cortar mais uma vez o trânsito.

18.43 - Um pouco por todo o país os manifestantes começam a desmobilizar. Em Lisboa, algumas pessoas ainda se deslocaram do Rossio até à Praça Camões. A organização do protesto diz que participaram 200 mil pessoas na manifestação em Lisboa.

16.48 - Milhares de pessoas já desceram a Avenida da Liberdade e muitas famílias e reformados juntaram-se aos protestos da "geração à rasca".

16.15 - A manifestação já chegou aos Restauradores e deverá estar a chegar a todo o instante ao Rossio. O trânsito já foi fechado e a adesão continua a ser elevada.

16.00 - A manifestação em Lisboa já enche toda a avenida e é equiparada à dos professores, contra o governo de Sócrates, durante a sua primeira legislatura.

15.00 - A manifestação está a arrancar em Lisboa e junta já alguns milhares de pessoas na Avenida da Liberdade. As estimativas apontam para a presença, até ao momento, de 2 a 3 mil pessoas, mas ainda é difícil de contabilizar um número certo porque os manifestantes ainda se encontram muito espalhados pela avenida.

A cabeça da manifestação começou a formar-se junto ao cinema São Jorge e depois desceu a avenida em direcção aos Restauradores. Nas primeiras faixas podia-se ler as frases "Precariedade não tem idade" e "País está à rasca".

A manifestação está a juntar já muita gente mas não é exclusiva dos jovens, vendo-se também muitas pessoas de meia-idade junto dos mais novos.

Até ao momento está tudo a correr dentro da normalidade e ainda não se viram os anunciados elementos nacionalistas que se iriam juntar á manifestação. Em relação a protagonistas políticos, o DN ainda só confirmou a presença de quatro deputados do PCP, todos eles jovens: Ricardo Rato, João Oliveira, Miguel Tiago e Bruno Dias.

Mais de uma dezena de viaturas do corpo de intervenção da PSP esta junto ao Parque Eduardo VII, sendo esta a face mais visível da presença policial na manifestação.

Manifestações no Porto também já arrancaram

17.52 - Organização da manifestação da "geração à rasca", no Porto, avança com números de adesão na ordem das 80 mil pessoas, embora a PSP fale apenas em 50 mil manifestantes. A manifestação terminou e já estão a haver apelos à desmobilização.

16.43 - organização da manifestação da "geração à rasca" anuncia números de adesão na ordem das 80 mil pessoas. A manifestação já encheu meia Avenida dos Aliados e ainda há gente na Rua de Santa Catarina.

16.00 - Manifestação no porto vai terminar em frente à Câmara Municipal em vez de terminar na praça D. João I, como estava previsto.

15.00 - No Porto os manifestantes também são de todas as idades e as estimativas apontam para uma presença, até ao momento, de mais de seis mil pessoas. Nos primeiros cartazes a surgir entre os manifestantes, podem-se ler as frases "Gerações e gerações à rasca" e "Governos e políticos rascas criaram gerações à rasca".

A manifestação arrancou há dez minutos e a cabeça do protesto já vai no cruzamento de Santa Catarina com a Rua Fernades Tomás, mas ainda há largas centenas de pessoas na Praça da Batalha.

fonte: DN

Manifestantes encheram Avenida dos Aliados

Cerca de 80 mil pessoas, segundo a organização, terão hoje participado no protesto da "Geração à Rasca", no Porto, enchendo a Avenida dos Aliados, apesar da manifestação ter tido um começo tímido.


fonte: DN

Homens da Luta cantam com Fernando Tordo na Avenida

Jel e Falâncio, os famosos Homens da Luta, participaram na manifestação e contaram com a colaboração especial de Fernando Tordo, que se juntou ao grupo na Av. da Liberdade.


fonte: DN

Explosão em central nuclear de Fukushima


Uma forte explosão foi ouvida hoje perto do reactor número 1 da central nuclear de Fukushima (norte de Tóquio), onde o nível de radioactividade aumentou de forma alarmante na sequência do forte sismo que sacudiu na sexta-feira o Japão.

Segundo a televisão pública NHK, que cita a Agência de Segurança Nuclear do Japão, a explosão ocorreu às 16:00 locais (07:00 em Lisboa) e há pelo menos 20 empregados da central que estão feridos. A televisão afirma que as causas da explosão são ainda desconhecidas.


No entanto, um especialista nuclear afirmou, em declarações à NHK, que a explosão pode ter sido "intencional".

A televisão nipónica está a mostrar imagens de uma nuvem de fumo branco por cima da central nuclear e anunciou que o nível de radioatividade está 20 vezes superior ao normal.

Entretanto, o teto e as paredes do edifício do reator de Fukushima desmoronaram-se, refere ainda a NHK.

As autoridades locais tinham ordenado na sexta-feira a evacuação da zona num raio de 10 quilómetros em redor da central.

Na sequência da explosão, a televisão pública NHK aconselhou os japoneses a manterem-se em casa e a fecharem as janelas num perímetro "mais amplo que os 10 quilómetros da zona evacuada".

Peritos e jornalistas da cadeia de televisão também aconselharam as pessoas que estão no exterior a proteger as vias respiratórias com um pano molhado e a taparem-se ao máximo para evitar o contacto direto da pele com o ar.

fonte: DN

Manifestação da "geração à rasca" promete juntar milhares


Quase 60 mil cibernautas já disseram que vão participar no protesto da auto-denominada "Geração à Rasca" que decorre em 11 cidades do país mas que terá o seu ponto alto na Avenida da Liberdade.

A maior parte dos participantes que se comprometeram a participar são jovens desempregados ou em situações precárias e a mobilização, que começou via redes sociais online, ganhou uma expressão maior através da associação a hinos musicais, como a música dos Deolinda "Que parva eu sou", numa retrato de uma geração de "quinhentoseuristas" que não consegue ser autónoma dos pais e tem formação superior qualificada.

Numa carta aberta dirigidas aos cidadãos e a qualquer organização da sociedade civil, os promotores explicam que o protesto é "fruto da insatisfação de um grupo de jovens que sentiram ser preciso fazer algo de modo a alertar para a deterioração das condições de trabalho e da educação em Portugal".

"Este é um protesto apartidário, laico e pacífico, que pretende reforçar a democracia participativa no país, e em consonância com o espírito do Artigo 23º da Carta Universal dos Direitos Humanos", explicam, reclamando o direito ao emprego, educação, "melhoria das condições de trabalho e o fim da precariedade" e o reconhecimento das "reconhecimento das qualificações, competências e experiência, espelhado em salários e contratos dignos".

Já no manifesto, os promotores do protesto dizem que pretendem dar um "contributo no sentido de desencadear uma mudança qualitativa do país".

"Estamos aqui, hoje, porque não podemos continuar a aceitar a situação precária para a qual fomos arrastados. Estamos aqui, hoje, porque nos esforçamos diariamente para merecer um futuro digno, com estabilidade e segurança em todas as áreas da nossa vida", sustentam.

"Somos a geração com o maior nível de formação na história do país. Por isso, não nos deixamos abater pelo cansaço, nem pela frustração, nem pela falta de perspetivas", prometem.

Os que tencionam desfilar em 11 cidades dos país dizem que não protestam "contra as outras gerações. Apenas não estamos, nem queremos estar à espera que os problemas se resolvam. Protestamos por uma solução e queremos ser parte dela".

A esta protesto já se associaram várias juventudes partidárias, organizações de extrema-direita, anarquias, sindicatos e partidos políticos, num conjunto de tomada de posições que tem suscitado dúvidas naqueles que defendem a "pureza apartidária" original.

Em todos os locais de protesto, as autoridades já anunciaram o reforço das medidas de vigilância para impedirem desacatos.

fonte: DN

Radioactividade mil vezes acima do normal em Fukushima


Foi detectado na central nuclear de Fukushima um nível de radioactividade mil vezes superior ao normal, segundo a agência noticiosa japonesa Kyodo.

Este nível de radioactividade anormal foi ontem detectado na sala de controlo do reactor nuclear N. º1, em Fukushima, no nordeste do Japão. O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, pediu aos habitantes para evacuarem a região num raio de dez quilómetros à volta do reactor, por causa do risco de fuga radioactiva.

A central Fukishima N.°1 situa-se cerca de 250 quilómetros a norte de Tóquio e é explorada pela companhia Tokyo Electric Power (Tepco), alimentando parte da capital.

A televisão pública NHK afirma que o nível de radioactividade no exterior da central é oito vezes superior ao normal, não representado ainda perigo para a saúde dos habitantes.

Entretanto, uma segunda central nuclear situada em Fukushima revelava hoje problemas de arrefecimento, noticiam os medias locais citando a empresa responsável. Três reactores daquelas instalações perderam parte da sua capacidade de arrefecimento, anunciou a Tokyo Electrixc Power (Tepco). Esta central, a Fukushima N.º2, situa-se a 12 quilómetros da Fukushima n.º 1.

fonte: DN

quinta-feira, 10 de março de 2011

"Estão reunidas condições para derrubar Governo"


O presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, diz que se fosse responsável pelo PSD a nível nacional já teria provocado a queda do Governo.

Segundo o governante insular, "desde o verão que estão reunidas as condições para o dever imperativo do Governo ser derrubado", sustentou. Mas para Jardim, "os partidos da situação política não têm entendido assim" e remeteu a posição para o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, admitindo que se fosse responsável pelo partido a nível nacional já teria provocado a queda do Governo do PS no verão.

Sobre a questão da

Jardim falava no aeroporto da Madeira à chegada à região depois de ter participado na cerimónia de tomada de posse de Cavaco Silva como Presidente da República e ter reunido com o Chefe de Estado.

O líder madeirense escusou-se a falar sobre os temas tratados no encontro que teve hoje com Cavaco Silva, mas reafirmou que o Presidente da República no discurso de posse "fez um diagnóstico correctíssimo, embora sem poder abarcar tudo, da vida portuguesa".

"Fez um excelente diagnóstico, apresentou algumas linhas programáticas, vamos aguardar a terapêutica", concluiu.

fonte: DN

terça-feira, 8 de março de 2011

Telegrama revela suspeito da Al-Qaeda em Portugal


Os Estados Unidos andaram a investigar um cidadão português de origem árabe e as relações dele com o alegado líder de uma célula da Al-Qaeda na Europa.

Um empresário sírio que vive em Portugal e tem nacionalidade portuguesa estava a ser investigado pelas autoridades americanas em 2008 pelo facto de manter contacto regular com o líder de uma célula da Al-Qaeda na Europa, Ibrahim Buisir, classificado abertamente como um "colaborador próximo" de Bin Laden pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas.

O nome, o número de passaporte, a data e o local de nascimento do cidadão português de origem síria estão expostos num telegrama confidencial (vedado a estrangeiros, com a classificação NOFORN), enviado para Washington a 14 de novembro de 2008 pelo então embaixador americano em Lisboa, Thomas Stephenson.

De acordo com o telegrama, o indivíduo em causa tinha sido incluído dois anos antes, a 27 de novembro de 2006, na lista secreta de suspeitos de terrorismo do Governo dos Estados Unidos (TSC ou Terrorist Screening Center watch list), criada em 2003 por determinação do então presidente George W. Bush para reunir numa única base de dados os ficheiros de pessoas "sobre as quais recaem suspeitas razoáveis de estarem envolvidas na preparação ou no apoio a atividades terroristas".

A referência ao suspeito no documento assinado pelo embaixador serviu para dar conta ao FBI, à CIA, ao Centro Nacional de Contraterrorismo e a outras agências governamentais em Washington de que "o departamento de assuntos regionais da embaixada forneceu informações sobre (nome omitido pelo Expresso), declarando que ele tem estado em contacto permanente com Ibrahim Buisir".

Numa breve nota, Thomas Stephenson recorda que "Buisir foi considerado pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unidos como estando ligado às atividades de financiamento da Al-Qaeda. De acordo com informações do Governo norte-americano, Buisir dirigiu uma célula europeia da Al-Qaeda que dá apoio a operações ao providenciar viagens e condições de alojamento na Europa".

Neste momento, e segundo várias fontes cruzadas que o Expresso contactou ao longo da semana junto das autoridades portuguesas, o empresário sírio não é considerado perigoso e não constitui uma ameaça para a segurança nacional. Oficialmente, a Polícia Judiciária limitou-se a confirmar que a sua Unidade Nacional de Contraterrorismo "está a acompanhar a situação" mas não tem nenhuma investigação em curso que possa ficar comprometida pela divulgação do telegrama, depois de informada previamente pelo Expresso de que não iríamos expor nem a identidade nem a localização exata do indivíduo.

É aqui que começam as dúvidas. Uma das questões que o telegrama levanta é sobre onde, como e quem vigiou (ou ainda vigia) os movimentos do empresário sírio. O facto de o suspeito se encontrar em Portugal e Buisir se encontrar na Irlanda, onde vivia na altura e ainda vive (ver caixa), significa que a informação de que mantinham "contacto permanente" resultou de escutas ou da interceção da correspondência eletrónica entre os dois.

Por outro lado, Stephenson afirma que a informação foi providenciada pelos serviços da Embaixada de Lisboa. Ao mesmo tempo, em relação a outro assunto também abordado no documento, a um parágrafo de distância, em que reproduz os dados biográficos de todos os 13 neonazis condenados no processo da organização extremista Hammerskin Nation, o embaixador assume que isso lhe foi transmitido pela Unidade Nacional de Contraterrorismo da PJ. Por que razão, no mesmo telegrama, iria citar as autoridades portuguesas num caso e não no outro?

Escutas aqui ou na Irlanda?

O Expresso sabe que não houve escutas ao empresário sírio por parte da PJ, a única entidade que as pode fazer legalmente em Portugal. Duas hipóteses ficam em aberto: ou foram feitas interceções telefónicas na Irlanda que tinham Buisir como alvo, apanhando o suspeito sírio na rede, e a informação foi passada à embaixada em Portugal através de um canal de comunicação mais restrito entre a estação da CIA em Dublin e a estação da CIA em Lisboa (tendo esta passado, por sua vez, a informação aos serviços da embaixada). Ou, em alternativa, houve escutas feitas em território português. Ilegais.

Num encontro com o Expresso, em que foi avisado de que iria ser publicado um artigo sobre ele nesta edição do jornal, o empresário sírio revelou que o seu número de telemóvel se mantém inalterado desde que veio viver para Portugal, há oito anos, e que há muito que desconfia estar sob escuta. "Ouço muitas vezes barulhos estranhos e o eco da minha voz".

O imigrante adiantou que foi abordado há cerca de três anos, na cidade onde mora, por um indivíduo que lhe fez uma série de perguntas relacionadas com terrorismo e com um cidadão de origem árabe na Irlanda.

Questionado sobre se esse indivíduo se identificou e se era de nacionalidade portuguesa, disse não se lembrar, admitindo que falaram em inglês (por ser uma língua em que é mais fluente) e acrescentando depois que "há coisas de que não vale a pena falar. Recordo-me só que, no final, o indivíduo zangou-se comigo e atirou um copo cheio de sumo para cima do meu carro. Eu agradeci-lhe e limpei o carro. Não tenho problemas em que me vigiem ou me ponham sob escuta. Não cometi nenhum erro e não tenho nada a temer".

Negando conhecer alguém chamado Ibrahim Buisir ("só tive uma vez um cliente na Irlanda e tinha outro nome"), o empresário explicou que nos negócios internacionais em que está envolvido, e que o obrigam a viajar regularmente pela Europa e pelo Médio Oriente, conserva uma carteira de clientes conhecidos. "Não me dou com gente estranha".

Antes de vir para Portugal, o suspeito viveu cinco anos na Arábia Saudita, onde trabalhou para uma empresa americana, e teve uma passagem pela Alemanha.

O telegrama em que aparece mencionado tem o título "Embassy Lisbon's October 2008 VISAS VIPER report" (relatório VISAS VIPER de outubro de 2008 da embaixada de Lisboa). Trata-se de um relatório de rotina sobre terrorismo destinado a prevenir a entrada de suspeitos em território americano.

O programa VISAS VIPER surgiu depois do primeiro atentado às torres gémeas de Nova Iorque em 1993. Serve, essencialmente, para fazer circular informação sucinta sobre indivíduos sob suspeita entre todos os serviços americanos no estrangeiro e o Departamento de Segurança Interna em Washington.

O empresário sírio nunca tentou entrar nos Estados Unidos. "Mas penso um dia ir ao Havai de férias com a minha mãe". Um sonho difícil. No telegrama vem que ele tem um "00 hit" no Consular Lookout and Support System (CLASS). Se conseguir eventualmente aterrar num aeroporto americano, o "00 hit" implica ser levado para uma sala. E esperar pelos agentes do FBI.

fonte: Expresso

segunda-feira, 7 de março de 2011

EUA têm plano secreto para armar rebeldes líbios


Os EUA estão-se a preparar para uma eventual guerra civil prolongada na Líbia, entre o regime de Muammar Kadhafi e os rebeldes que exigem a queda do ditador. Os norte-americanos terão pedido à Arábia Saudita para fornecer armas aos rebeldes.

Segundo o The Independent, o reino saudita, um dos países mais fechados do mundo e que enfrenta o seu próprio 'dia de raiva' na sexta-feira, ainda não respondeu ao pedido "altamente classificado" dos norte-americanos. Isto apesar de o Rei Abdullah ser inimigo confesso de Kadhafi, pois este tentou assassiná-lo.

Os EUA terão dito aos sauditas que os rebeldes necessitam prioritariamente de rockets e morteiros anti-tanque para travarem a contra-ofensiva de Kadhafi e mísseis terra-ar para responder aos ataques aéreos. Se os rebeldes conseguirem responder ao ditador e atacarem os seus redutos, a pressão sobre os líderes do Ocidente para intervirem ou pelo menos criarem uma zona de exclusão aérea diminuem, diz o mesmo jornal.

O The Independent lembra ainda que esta não é a primeira vez que os sauditas servem de apoio militar para a política externa norte-americana: estiveram envolvidos no escândalo dos Contra e armaram as guerrilhas que combateram a União Soviética no Afeganistão. Depois também financiaram e armaram os talibãs, inimigos dos EUA.

fonte: DN

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...