Watch live streaming video from occupynyc at livestream.com

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Maioria de norte-americanos e europeus contra vigilância

Maioria de norte-americanos e europeus contra vigilância

Estudo feito por organização dos EUA

A maioria dos norte-americanos e europeus é contra a existência de programas governamentais de vigilância que visam os cidadãos dos seus países, mas também os cidadãos de Estados aliados.

O inquérito online, da responsabilidade da organização German Marshall Fund (GMF) dos Estados Unidos, em parceria com a empresa TNS Opinion, envolveu cidadãos norte-americanos, mas também de França, Alemanha, Suécia e do Reino Unido.

A maioria dos inquiridos, nos dois lados do Atlântico, considerou como "não justificada" a prática dos governos de recolherem dados (comunicações online e telefónicas) dos seus cidadãos como parte dos esforços para proteger a segurança nacional.

Os alemães registaram o maior nível de reprovação: 70% indicaram que estes métodos não são justificados e que vão longe de mais ao nível da privacidade dos cidadãos.

Mais de metade dos inquiridos norte-americanos (54%) afirmou que estas práticas governamentais não são justificáveis, enquanto 28% acreditam que estes programas de vigilância interna têm um fim fundamentado, segundo o mesmo estudo, divulgado esta terça-feira.

A maioria dos entrevistados em França, Suécia e no Reino Unido também afirmaram que estas práticas não são justificáveis (52%, 52% e 44%, respetivamente).

No entanto, também existiram vários inquiridos franceses, suecos e britânicos que admitiram que a vigilância interna é justificada (35%, 34% e 33%, respetivamente).

Os entrevistados também foram questionados sobre a aplicação destes programas de vigilância aos cidadãos de países aliados.

Em resposta, os alemães manifestaram, mais uma vez, uma forte oposição. Cerca de 72% dos inquiridos na Alemanha afirmaram que esta situação não pode ser justificável.

Do lado dos norte-americanos, 44% disseram que estas medidas não têm justificação, enquanto 33% acreditam que vigiar os países aliados é uma prática justificável.

Os franceses e os britânicos foram, depois dos entrevistados norte-americanos, os mais propensos a afirmar que a vigilância a cidadãos estrangeiros é uma prática fundamentada (30% nos dois países). Na Suécia, apenas 27% dos inquiridos admitiram ser favoráveis.

O inquérito também abordou a parceria entre os Estados Unidos e a União Europeia (UE) em matéria de segurança e diplomacia. Cerca de 24% dos inquiridos norte-americanos defenderam que a parceria deve ser reforçada, enquanto 23% admitiram preferir uma abordagem mais independente.

Na Alemanha, a maioria (44%) afirmou acreditar numa abordagem mais independente. Perto de 34% dos participantes alemães defenderam que os termos da parceria transatlântica devem permanecer iguais, uma opinião partilhada por 35% dos inquiridos britânicos, 23% dos franceses e 26% dos suecos.

O estudo foi desenvolvido entre 6 e 9 de setembro e envolveu uma amostra de cerca de mil pessoas em cada país. A idade dos inquiridos variou entre os 16 e os 64 anos.

Criado em 1972, o German Marshall Fund é um organismo norte-americano apartidário, sem fins lucrativos, que pretende reforçar a cooperação transatlântica.


sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Preços do petróleo podem ter sido manipulados durante anos


Algumas das maiores empresas de petróleo do mundo, incluindo BP, a Statoil, e Royal Dutch Shell, podem ter manipulado preços durante mais de uma década, garantem alguns traders, citados pela agência Bloomberg.

Petrolíferas como a BP, a Statoil ou a Shell, podem ter manipulado os preços do petróleo durante mais de uma década.

A informação é avançada pela agência financeira Bloomber, na sua edição online, e baseia-se em declarações de alguns traders que garantem a ter provas da concertação de preços entre as petrolíferas.

No passado mês de maio, as autoridades antitrust da União Europeia terão investigado os escritórios das empresas em causa, com base em alegações de conluio na fixação dos preços de petróleo em bruto, produtos refinados e biocombustíveis.

Entretanto, as autoridades ainda não anunciaram o resultado das suas investigações ou se, na sequência das mesmas, terão processado alguma das empresas em questão.

fonte: Expresso

terça-feira, 5 de novembro de 2013

A Agenda 21 revelada


Conheça a Agenda 21, uma agenda diferente que pouca gente conhecerá...
Entenda como se encaixam os Campos FEMA e a Depopulação em curso...
Some dois mais dois e entenda melhor a atitude heroíca de Snowden.

fonte: Kafe Kultura

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...