Watch live streaming video from occupynyc at livestream.com

sábado, 28 de dezembro de 2013

Juiz diz que programa de vigilância da NSA é legal


Um juiz de Nova Iorque considerou hoje que o programa de vigilância de dados telefónicos da responsabilidade da Agência Nacional de Segurança (NSA) norte-americana, que gerou controvérsia no país e na comunidade internacional, era "legal".

As declarações do juiz William Pauley ocorrem 10 dias depois de um outro juiz, de Washington, ter questionado fortemente a constitucionalidade do programa.

O juiz de Nova Iorque considerou que não existe "qualquer prova de que a administração tenha utilizado a significativa recolha de dados telefónicos para outros fins que não para prevenir e investigar ataques terroristas".

O magistrado foi chamado a pronunciar-se num processo da Associação de Defesa de Liberdades Civis contra a administração do Presidente Barack Obama, no qual alegava que o programa de vigilância da NSA era ilegal.

"A questão colocada ao tribunal era saber se o programa de recolha em massa de dados telefónicos era legal. O tribunal considera que é", escreveu o juiz William Pauley na sua decisão, que foi consultada pela agência noticiosa francesa AFP.

A existência destes programas de vigilância foi revelada no verão pelo consultor informático norte-americano Edward Snowden, de 30 anos, que trabalhou como analista informático para uma empresa subcontratada pela NSA.

Atualmente, Edward Snowden está a viver na Rússia, ao abrigo de um asilo temporário por um período de um ano.

A existência nos serviços secretos norte-americanos de programas de vigilância em massa de comunicações acabou por suscitar tensões políticas internacionais e reavivou o debate sobre espionagem, segurança nacional e direito à privacidade.

Em agosto passado, Barack Obama anunciou uma série de reformas para tornar os serviços de informações mais transparentes e respeitadores dos direitos civis, prometendo trabalhar com o Congresso e com um grupo independente de peritos para esse fim.


NSA e CIA têm célula em Portugal


As agências de espionagem norte-americanas têm 80 escritórios "regionais" espalhados pelo mundo. Snowden passou informações sobre o nosso país.

O semanário "Expresso" escreve na sua edição de hoje que "uma "célula" da Special Collection Service (SCS), uma agência conjunta da NSA e da CIA, estará a operar em Portugal, segundo um documento revelado por Edward Snowden e publicado pelo jornal holandês "NRC". De acordo com o documento divulgado pelo jornal, a "célula" em questão em Portugal seria um ponto de acesso à imensa base de dados recolhida no mundo pela NSA e pela CIA. No mapa vê-se claramente uma bola vermelha sobre Portugal e, na legenda, detalha-se que se trata de um ponto "regional", com a indicação de que haverá mais de 80 pontos semelhantes no mundo, 19 dos quais na Europa, assegura Snowden".

Segundo o semanário, "a história da SCS indica que a maioria destes pontos (e agentes) começou por se localizar nas embaixadas e consulados americanos, um recurso ainda hoje utilizado - veja-se o caso do escândalo das escutas ao telemóvel da chanceler alemã Angela Merkel, denunciado por Snowden, e que teria origem precisamente numa "célula" da organização na embaixada americana em Berlim. Questionada a este propósito pelo Expresso, "a embaixada americana em Lisboa não confirmou nem desmentiu a existência da célula, mas reconheceu a existência de alguns problemas que estariam a ser tratados por canais diplomáticos. "Sabemos que as alegações de atividades de vigilância da NSA criaram desafios significativos no nosso relacionamento com alguns dos nossos parceiros estrangeiros mais próximos".

Segundo fontes contactadas pelo semanário "o interesse por Portugal pode ter a ver com ligações significativas a outras partes do mundo, nomeadamente África, Brasil e Extremo oriente, e em particular a China, já que detém em Portugal ativos estratégicos importantes e faz do nosso país um dos canais de penetração na Europa".


sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

SITE SINISTRO RECEBE DOAÇÕES ANÓNIMAS PARA ASSASSINAR POLÍTICOS



Conheça os primeiros seis nomes colocados na lista negra

É sinistro e totalmente anónimo. Este site foi descoberto no início do mês, mas só na semana passada é que se conheceu com detalhe o seu objectivo último: o financiamento público de assassinatos políticos. O ‘Assassination Market’ (mercado dos assassinatos) esconde-se na chamada dark net – a zona invisível da Internet – e encoraja as pessoas a contribuírem com dinheiro para um fundo em nome de um dos alvos. Até agora há seis nomes (ver caixa) com a cabeça a prémio, mas o propósito confessado é desencadear uma vaga de assassinatos de líderes políticos em todo o mundo, de forma a “destruir todos os Governos”.

O funcionamento é simples: o site apresenta uma lista de alvos a eliminar; os visitantes oferecem dinheiro para aumentar o valor do prémio do alvo que acham que deve morrer – e, assim, tornam mais aliciante a tarefa de potenciais assassinos, que receberão como prémio a verba do alvo que matarem. Para provar a autoria há regras: antes do atentado o assassino deve escrever num documento a hora e o dia em que vai cometer o crime, encriptá-lo e transformá-lo numa única linha de caracteres. Depois, faz uma doação no nome do seu alvo e insere essa linha na transferência. Cometido o assassinato, deve enviar esse texto ao administrador do site, que verificará se ele corresponde à linha de caracteres antes remetida. Feita a confirmação, o assassino receberá o valor do alvo – menos 1% da comissão cobrada pelo site.

O ‘Assassination Market’ foi criado há quatro meses por alguém que se identifica com o pseudónimo Kuwabatake Sanjuro, o nome do samurai do filme ‘Yojimbo’, de Akira Kurosawa [na foto]. Foi o próprio a revelá-lo, num emailencriptado enviado para a revista ‘Forbes’ a detalhar o novo negócio.

Sanjuro diz que, para garantir a segurança e o anonimato dos doadores, as transferências são feitas em bitcoins, a moeda virtual praticamente não detectável e por isso associada com frequência a actividades ilegais online. Apesar disso, o Departamento de Justiça americano defendeu, na semana passada, perante o Senado, que a moeda é um instrumento financeiro legítimo.

Criada para garantir o anonimato e a liberdade de expressão, a dark Net serve também para ocultar um mundo onde proliferam todo o tipo de actividades ilegais e que não está acessível aos utilizadores normais. Para aceder a ela são necessários programas que encriptam todos os dados e impedem com grande segurança a localização – mas não a 100%. Em Agosto, por exemplo, o FBI fechou milhares de sites na dark Net.

Em trocas de email com o editor da ‘Forbes’ Andy Greenberg, Sanjuro afirmou que os doadores podem sugerir nomes para a lista, mas “por uma questão de ética” só “aceitará alvos que tenham usado a força contra outros seres humanos. Mais especificamente, pessoas que se encontrem fora do alcance da lei, cujas vítimas não têm outra maneira de se vingar sem ser anonimamente”.

Sanjuro diz-se influenciado por Jim Bell, um antigo engenheiro da Intel preso por evasão fiscal. Bell escreveu um ensaio a defender um sistema de financiamento de assassinatos através da encriptação de doações anónimas. Sanjuro tornou a ideia real.

O seu impulso final para a criação do site foi, no entanto, a revelação de Edward Snowden de que a NSA (Agência Nacional de Segurança) construiu uma infra-estrutura que intercepta quase tudo em todo o mundo, constituindo uma ameaça à liberdade de opinião.

Há sites semelhantes ao ‘Assassination Market’, como o ‘Contract Killer’, ‘Quick Kill’ ou ‘C’thulhu’, que apregoam vender os serviços de assassinos em troca de pagamentos em bitcoins, mas, nestes casos, todas as investigações sugerem que são embustes para enganar e roubar dinheiro.

Sanjuro é o primeiro a dizer que não há forma de saber se o seu site é também um esquema para roubar bitcoins aos doadores, mas observa que se fosse seria muito complexo e arriscado, uma vez que só ameaçar o Presidente dos Estados Unidos já é um crime.

Apresenta-se como um “cripto-anarca” – quer garantir a privacidade e a liberdade através da criptografia – e está optimista: “Temos um futuro brilhante à nossa frente.”


Ben Bernanke. O director da Reserva Federal americana já vale mais de 62 mil euros (124 bitcoins) para quem o matar e provar que o fez.


Barack Obama. O Presidente é apontado como responsável por milhares de mortes; o seu nome na lista já vale mais de 20 mil euros.


Keith Alexander. O director da Agência de Segurança Nacional é responsável pelo maior sistema de escutas no mundo. Vale 5 mil euros.


James Clapper. O director da National Intelligence coordena todas as informações e é o principal conselheiro de inteligência do Presidente.


François Hollande. O Presidente francês está na lista pela sua política anti-imigração; o seu nome só angariou ainda 1bitcoin (€500).


Jyrki Katainen. O primeiro-ministro da Finlândia é alvo por o seu país ter centros de dados de empresas globais, como a Google e a Microsoft.


terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Estudo que associa transgénicos a tumores retirado de publicação


A Food and Chemical Toxicology, publicação especializada nos efeitos da alimentação e medicamentos sobre seres humanos, publicou o estudo de um cientista francês e retirou-o devido à "pequenez da amostra" apresentada.

A publicação científica baseou a sua decisão pelo facto de o estudo ser inconclusivo face à amostra pouco representativa de ratinhos de laboratório utilizados na experiência. Estes ratinhos, de acordo com o estudo do francês Gilles-Eric Seralini, apresentaram tumores após a ingestão de milho transgénico e acabaram por morrer com lesões em diversos órgãos.

Vários grupos de cientistas já tinham contestado o estudo, logo aquando da sua publicação, em Novembro de 2012, não só por aquela razão, mas também pela eventual fraude na apresentação de dados. Cathie Martin, investigadora do centro John Innes (Reino Unido), disse à agência Reuters que "a linhagem de ratos utilizada é muito susceptível a tumores ao fim de 18 meses, com ou sem transgénicos". Houve falta de revisão de pares a este estudo, acrescentou, algo fundamental para comprovar dados científicos, seja qual for a área de estudos. Foi mais uma voz a juntar ao grupo de 700 cientistas que se insurgiram contra a publicação, ainda em 2012.

A própria Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar disse que o estudo de Seralini, da Universidade de Caen, em França, tinha sérios "defeitos de metodologia".

A revista, por sua vez, não encontrou "indícios ou intenções de fraude" na investigação, e acabou por retirar o estudo das suas páginas apenas um ano depois pelo facto de a amostra utilizada não ser representativa para chegar a quaisquer conclusões.

fonte: Sol online

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Maioria de norte-americanos e europeus contra vigilância

Maioria de norte-americanos e europeus contra vigilância

Estudo feito por organização dos EUA

A maioria dos norte-americanos e europeus é contra a existência de programas governamentais de vigilância que visam os cidadãos dos seus países, mas também os cidadãos de Estados aliados.

O inquérito online, da responsabilidade da organização German Marshall Fund (GMF) dos Estados Unidos, em parceria com a empresa TNS Opinion, envolveu cidadãos norte-americanos, mas também de França, Alemanha, Suécia e do Reino Unido.

A maioria dos inquiridos, nos dois lados do Atlântico, considerou como "não justificada" a prática dos governos de recolherem dados (comunicações online e telefónicas) dos seus cidadãos como parte dos esforços para proteger a segurança nacional.

Os alemães registaram o maior nível de reprovação: 70% indicaram que estes métodos não são justificados e que vão longe de mais ao nível da privacidade dos cidadãos.

Mais de metade dos inquiridos norte-americanos (54%) afirmou que estas práticas governamentais não são justificáveis, enquanto 28% acreditam que estes programas de vigilância interna têm um fim fundamentado, segundo o mesmo estudo, divulgado esta terça-feira.

A maioria dos entrevistados em França, Suécia e no Reino Unido também afirmaram que estas práticas não são justificáveis (52%, 52% e 44%, respetivamente).

No entanto, também existiram vários inquiridos franceses, suecos e britânicos que admitiram que a vigilância interna é justificada (35%, 34% e 33%, respetivamente).

Os entrevistados também foram questionados sobre a aplicação destes programas de vigilância aos cidadãos de países aliados.

Em resposta, os alemães manifestaram, mais uma vez, uma forte oposição. Cerca de 72% dos inquiridos na Alemanha afirmaram que esta situação não pode ser justificável.

Do lado dos norte-americanos, 44% disseram que estas medidas não têm justificação, enquanto 33% acreditam que vigiar os países aliados é uma prática justificável.

Os franceses e os britânicos foram, depois dos entrevistados norte-americanos, os mais propensos a afirmar que a vigilância a cidadãos estrangeiros é uma prática fundamentada (30% nos dois países). Na Suécia, apenas 27% dos inquiridos admitiram ser favoráveis.

O inquérito também abordou a parceria entre os Estados Unidos e a União Europeia (UE) em matéria de segurança e diplomacia. Cerca de 24% dos inquiridos norte-americanos defenderam que a parceria deve ser reforçada, enquanto 23% admitiram preferir uma abordagem mais independente.

Na Alemanha, a maioria (44%) afirmou acreditar numa abordagem mais independente. Perto de 34% dos participantes alemães defenderam que os termos da parceria transatlântica devem permanecer iguais, uma opinião partilhada por 35% dos inquiridos britânicos, 23% dos franceses e 26% dos suecos.

O estudo foi desenvolvido entre 6 e 9 de setembro e envolveu uma amostra de cerca de mil pessoas em cada país. A idade dos inquiridos variou entre os 16 e os 64 anos.

Criado em 1972, o German Marshall Fund é um organismo norte-americano apartidário, sem fins lucrativos, que pretende reforçar a cooperação transatlântica.


sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Preços do petróleo podem ter sido manipulados durante anos


Algumas das maiores empresas de petróleo do mundo, incluindo BP, a Statoil, e Royal Dutch Shell, podem ter manipulado preços durante mais de uma década, garantem alguns traders, citados pela agência Bloomberg.

Petrolíferas como a BP, a Statoil ou a Shell, podem ter manipulado os preços do petróleo durante mais de uma década.

A informação é avançada pela agência financeira Bloomber, na sua edição online, e baseia-se em declarações de alguns traders que garantem a ter provas da concertação de preços entre as petrolíferas.

No passado mês de maio, as autoridades antitrust da União Europeia terão investigado os escritórios das empresas em causa, com base em alegações de conluio na fixação dos preços de petróleo em bruto, produtos refinados e biocombustíveis.

Entretanto, as autoridades ainda não anunciaram o resultado das suas investigações ou se, na sequência das mesmas, terão processado alguma das empresas em questão.

fonte: Expresso

terça-feira, 5 de novembro de 2013

A Agenda 21 revelada


Conheça a Agenda 21, uma agenda diferente que pouca gente conhecerá...
Entenda como se encaixam os Campos FEMA e a Depopulação em curso...
Some dois mais dois e entenda melhor a atitude heroíca de Snowden.

fonte: Kafe Kultura

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Drones matam terrorista a partir de um único e-mail


EUA conseguem acionar ataque por drones a partir de informação recolhida através de e-mails e chamadas em todo o mundo

Documentos revelados por Edward Snowden sobre espionagem dos EUA mostram que apenas um e-mail é suficiente para localizar um suspeito terrorista.

O escândalo que tornou o nome de Edward Snowden famoso mostrou que a Agência Nacional de Segurança norte-americana (NSA, sigla em inglês de National Security Agency) consegue espiar milhões de chamadas e mensagens de e-mail em todo o Mundo. O que não sabíamos é que a informação recolhida por esta agência e pelos serviços secretos dos EUA (CIA, sigla de Central Intelligence Agency) é tão detalhada que consegue localizar um alvo terrorista através de um único e-mail.

Citando os documentos secretos que Snowden revelou, o jornal ‘Washington Post’ explica que as agências de informação NSA e CIA trabalham em conjunto na recolha de informação sobre suspeitos de terrorismo. Informação essa que é depois usada para localizar o alvo de um ataque drone.

O jornal norte-americano descreve memso um destes casos, ocorrido em 2011, em que uma única mensagem supostamente 'inócua' de e-mail foi enviada para Hassan Ghul, membro da rede terrorista Al-Qaeda, morto depois num ataque aéreo levado a cabo por um avião não-tripulado, que vitimou também a sua mulher.

Importa ainda realçar que este terrorista esteve detido pela CIA durante dois anos e meio, entre 2004 e 2006, antes de ser transferido para um sistema prisional paquistanês. As mortes de Ghul e da sua mulher nunca foram confirmadas publicamente pelo governo dos EUA.

Além da espionagem de chamadas e mensagens de correio eletrónico, a NSA tem mais ‘cartas na manga’. O ‘Washington Post’ refere que esta agência de informação tem à sua disposição “um arsenal de ferramentas, capazes de secretamente controlar computadores portáteis, desviar ficheiros áudio e controlar transmissões radiofónicas”.

O programa de drones militares tem sido um dos pontos fundamentais da estratégia de combate ao terrorismo implementada pela administração de Barack Obama.


sábado, 12 de outubro de 2013

Um roubo de proporções inimagináveis



"Os nossos sistemas financeiros foram sequestrados por uma geração de ladrões. Enquanto você trabalha cada vez mais por cada vez menos, o jogo está sendo manipulado contra si. Eles estão transformando todos nós em escravos virtuais. Somos vítimas dum roubo de proporções inimagináveis! Fomos mantidos numa mentira tão grande que oprime toda a humanidade!"

fonte: Youtube

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Big Brother is watching you!

Monsanto, destruindo o mundo num abrir e fechar de olhos


A imagem fala por si...
Infelizmente nem tudo aquilo que comemos é natural e nos sacia a fome.
O que comemos?
Compostos quimicos?
Antibioticos?
Hormonas?
Anti-oxidantes?
Dioxinas?
Pesticidas?
Corantes?
Emulsionantes?
Conservantes?
Nano-particulas?
Já se deu conta que os alimentos perderam o sabor de outrora? E que aquilo que parece brilhar na prateleira de supermercado encolhe na frigideira ou no tacho?
Já se deu conta que parece só água? Parece...
Será que aquilo que parece ser não é?
Será que não estamos a ingerir veneno?
Será que nos querem matar?
Mas será mesmo?

fonte: Kafe Kultura

domingo, 7 de julho de 2013

Bilderberg. O clube secreto que mais enfurece os 99%


Conclave de um punhado de "influentes líderes mundiais" decorre até domingo em Hertfordshire, Inglaterra. Portas e Seguro estão lá.

Poucas associações ou conclaves têm sido alvo de tantas tentativas de escrutínio e teorias da conspiração como o Clube de Bilderberg. O grupo fundado em forma de "encontro anual" em 1954 - para, é explicado no site oficial do Bilderberg, "facilitar o diálogo entre os países europeus e os Estados Unidos - é objecto de mais atenção e curiosidade que o poder sub-reptício dos fantasmáticos ilumminati ou a influência política da maçonaria.

Em vésperas do encontro de 2013, a ter lugar de quinta-feira a domingo no Hertfordshire, no Reino Unido, jornalistas, bloggers e activistas voltaram à carga em tentativas de investigar o Bilderberg nos últimos dias.

Algumas buscas rápidas na internet mostram inúmeros artigos com dados e informações de bolso sobre o encontro dos cerca de 140 líderes das áreas da política, das finanças, dos media e outras que compõem esta elite mundial - a mesma que inspirou o slogan "Somos os 99%" dos activistas do movimento Occupy.

Nos últimos anos, Portugal tem sido sempre representado por três pessoas, uma delas presença recorrente há vários anos: Francisco Pinto Balsemão, dono da Impresa e membro da direcção do Bilderberg desde a década de 80, que para esta 61.o reunião escolheu levar consigo Paulo Portas e António José Seguro.

Se factos como serem a BP e a Goldman Sachs - tida como a principal culpada pela crise financeira mundial que se atravessa desde 2008 - as principais beneméritas (leia-se patrocinadoras) do encontro são o que mais tem motivado discussões cibernéticas por todo o mundo sobre a reunião deste ano, por cá foi a revelação de que rivais políticos vão juntos à conferência que mais efeitos surtiu na opinião pública.

A notícia gerou nas redes sociais comentários incrédulos que sugerem uma imagem do actual ministro dos Negócios Estrangeiros e líder do partido minoritário da coligação no poder de braço dado com o líder do principal partido da oposição a chegar à pequena localidade próxima de Londres - onde o aparato policial impede qualquer um de se aproximar do Hotel Grove para, em boa gíria jornalística, sacar um furo.

Consegui-lo é missão impossível, e não apenas pela quantidade de agentes de segurança presentes no Hertfordshire para alegada protecção dos políticos e empresários. À parte estatísticas sobre as participações nos encontros ao longo dos últimos 60 anos - apenas 24 dos 198 países do mundo estiveram "representados" nos últimos três anos, com os EUA a encabeçarem sempre a lista em número de enviados - pouca informação fidedigna é encontrada.

Segundo o recôndito website Secrets of the Fed, em 1973 "alguém" terá ouvido Walter Levy, um dos participantes no Bilderberg desse ano, expor o plano definido nessa reunião para aumentar 400% as receitas da venda de crude pela Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP). Essa informação, como tantas outras, nunca se confirmou, já que o Bilderberg faz questão de definir, desde sempre, que não são produzidas resoluções, propostas ou pareceres públicos no final de cada encontro, de carácter "informal".

Este ano, o programa tem, entre os seus tópicos, o crescimento e criação de emprego nos EUA e na Europa, o nacionalismo, a política externa norte-americana, a guerra contra o ciberterrorismo e os desafios que o continente africano enfrenta. Nenhum líder ou personalidade de África estará presente. Em vez disso, e para além de Balsemão, Seguro e Portas, a lista de convidados deste ano conta com Durão Barroso, presidente da Comissão Europeia, Christine Lagarde, directora-geral do FMI, Mario Monti e François Fillon, ex-primeiros-ministros de Itália e de França, e os presidentes da Amazon e da Google. Entre os 140 nomes, revelam os media, apenas 14 mulheres.

fonte: i online

Seguro vai com Portas à reunião do grupo Bilderberg


O minsitro dos Negócios Estrangeiros e o líder do Partido Socialista vão particiapr nos encontros do grupo Bilderberg em Londres.

O "jornal i" escreve hoje que "Paulo Portas e António José Seguro vão estar juntos de 6 a 9 de junho nos encontros promovidos pelo grupo Bilderberg, do qual faz parte Francisco Pinto Balsemão. Os encontros entre governantes e destacadas figuras de 21 países da União Europeia e dos Estados Unidos vão decorrer, como é costume, à porta fechada. Serão discutidos temas como criação de emprego nos dois continentes, dívida e política externa norte-americana, desafios africanos, proliferação do cibercrime ou novas tendências na investigação médica. Para participar neste encontro os governantes e CEO têm de ser convidados por um dos membros do grupo. Em Portugal, os convites são normalmente endereçados por Francisco Pinto Balsemão, que pertence a esta organização há quase 40 anos.


'Big Brother' global


A NSA, dos EUA; tem tecnologia para controlar comunicações a nível global. Edward Snowden revelou o escândalo

Nenhum cidadão do Mundo está a salvo de espionagem dos países que dominam os mais sofisticados programas tecnológicos, diz especialista

Podem os EUA intercetar e-mails e telefonemas trocados entre Portugal e os Estados Unidos? A resposta é sim.

Carlos Marinho, juiz desembargador e perito em informática, explica ao CM que a tecnologia da Agência Nacional de Segurança (NSA) norte-americana é tão sofisticada que tem capacidade para isso. "A comunicação por Internet pode ser filtrada, porque está em rede", explica. Quanto às chamadas, o perito diz que se "o sistema for digital e estiver numa rede mundial, é possível chegar a ele".

A denúncia de Edward Snowden - o informático que revelou a existência de programas de espionagem dos EUA - ativou o debate sobre privacidade, proteção de dados e segurança dos cidadãos na Internet. Carlos Marinho não tem dúvidas de que Portugal e o Mundo "não estão a salvo dos sistemas de espionagem devido à sofisticação tecnológica".

Ainda assim, diz que "legislativamente estamos protegidos" através de uma diretiva Europeia. "Nem os serviços secretos podem fazer o que lhes apetece", assegura. Contudo, adverte para a complexidade da "produção de prova". "Conseguimos provar que o NSA intercetou um e-mail que enviou, para alguém em que dizia EUA? Sem prova, nenhum tribunal dá razão", diz o magistrado. E mesmo que se conseguisse provar, "não há propriamente a possibilidade de um tribunal português condenar a NSA", remata. 

Entretanto, "a Rússia, Israel, a Índia e a China" também estão a "entrar nesse sistema de filtragens". "Hoje estamos a ser vigiados por muitos Big Brother", conclui.


domingo, 23 de junho de 2013

Anonymous publicam documentos secretos norte-americanos


A reação dos Anonymous ao escândalo de espionagem da NSA não se fez esperar.

O Anonymous publicou na Internet um conjunto de 13 documentos da National Security Agency (NSA) na sequência das últimas revelações sobre a atividade de espionagem da agência norte-americana. Diz o Gizmondo que os documentos revelam a visão estratégica da NSA para controlar a Internet e que parecem estar sobretudo relacionados com a operação PRISM.

Um dos destaques do tipo de informações presentes no documento diz respeito à existência de uma rede de partilha de informações de espionagem, que partilha os dados obtidos pela PRISM com parceiros da NSA em todo o mundo.

Como habitual, os documentos foram disponibilizados no Pastebin.

Recorde-se que tudo começou com uma história nos jornais americanos sobre o facto de a Verizon, uma empresa de telecomunicações, estar obrigada a entregar os registos telefónicos dos seus clientes à NSA. Entretanto, ficou-se a saber que esta operação era muito maior do que inicialmente se pensava e que não se resume aos registos telefónicos. Aparentemente, a NSA tem vindo ao longo dos últimos anos a recolher informações dos gigantes da tecnologia norte-americanos, como Facebook, Microsoft, Yahoo, Google, YouTube, Skype e Apple, entre outras. Neste rol de espionagem também se encontram as principais operadoras de telecomunicações, como a Verizon, AT&T e Sprint.


sábado, 15 de junho de 2013

"1984" volta aos tops após denúncias de espionagem


A publicação de notícias sobre a a rede espionagem norte-americana nas redes sociais está a provocar um aumento acentuado de vendas de 1984, o emblemático romance deGeorge Orwell sobre uma sociedade cerceada da liberdade de expressão.

Na Amazon, maior loja online do Mundo, o livro que Orwellescreveu em 1949 galgou mais de seis mil lugares em poucos dias, passando da posição 6208 do top de vendas para a 194ª.

Na origem desta procura estão as notícias reveladas pelo jornal britânico The Guardian que davam conta da existência do sistema PRISM, da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos, que prevê a vigilância de conteúdos de comunicação privada através dos principais servidores comerciais como a Google, Facebook ou Youtube, além de companhias telefónicas. O antigo elemento dos serviços de informações, Edward Snowden, de 29 anos, que denunciou a situação encontra-se em parte incerta, embora vários periódicos indiquem que está refugiado em Hong Kong.

A polémica obrigou mesmo o presidente norte-americano a fazer uma intervenção. Segundo Barack Obama, o sistema é um meio de combate contra o terrorismo, pelo que a sua utilização se justifica, "em nome da segurança dos norte-americanos".



terça-feira, 11 de junho de 2013

BIOCHIP OBRIGATÓRIO EM 2013


Lóbi gay


A Wikipedia define lóbi como “grupo de pessoas ou organização que têm como actividade profissional buscar influenciar, aberta ou veladamente, decisões do poder público, especialmente do poder legislativo, em favor de determinados interesses privados.” 

O processo de influência da tomada de decisão política é algo perfeitamente natural; é por essa razão que se vota no partido A ou B, que há quem se manifeste ou faça greve, que haja até cidadãos valentes e empenhados que fazem circular e-mails. É neste quadro se insere a petição entrega pela ILGA Portugal na AR. Mas que exista um lóbi gay enquanto “actividade profissional” como a que têm as associações empresariais, por exemplo, isso não existe. E é um facto.

A conotação de lóbi em Portugal é, no entanto, mais ampla. E no geral extremamente negativa porque se foca na ilegitimidade das acções. Por lóbi gay entende-se que os homossexuais estão bem colocados nas hierarquias de poder, manipulando os decisores por forma a favorecer os seus interesses próprios e prejudicando, por essa via, a maioria. A minoria exclui a minoria, entenda-se.

Esta visão é bastante redutora. Em primeiro lugar, parte do princípio que os gays estão todos bem colocados na vida, o que é falso. Há gays de todas as formas e feitios, profissões, cores, opções políticas e partidárias, rendimentos... A homossexualidade é um fenómeno transversal na nossa sociedade. Nem a homossexualidade é uma tara ou capricho de gente “bem” nem os homossexuais são mais inteligentes (e logo ricos) que os outros: são iguais! Estão por todo o lado. Em segundo lugar, esta visão considera que todos os gays se conhecem e identificam facilmente. Se 5% da população for homossexual (estimativa conservadora) há 500.000 em Portugal! A teoria cai por si só. Uma organização secreta de 500.000 pessoas em Portugal? Ridículo, não é? Em terceiro lugar, se esse lóbi é assim tão poderoso por que é que em Portugal a discriminação é tão forte que quase todos têm medo e NINGUÉM se assume publicamente, por que é que em Portugal a legislação continua a discriminar os homossexuais (casamento, adopção, código penal..) quando noutros países a situação já está resolvida? Que benefícios têm retirado os homossexuais desse lóbi? Estranho, não é?

Já ouvi dizer que o Paulo Portas, enquanto ministro, encheu o Ministério da Defesa de gays. Mas o que fez o Santana? E o Durão? E os outros todos? Não encheram os ministérios de heteros? Ou é apenas porque os gays, sendo minoria, são facilmente identificáveis e memorizáveis e outros factores (como a amizade hetero, a escola, o bairro...) não? Todos preenchem os quadros com gente da sua confiança, gente da sua envolvente que, no caso do Portas, pelos vistos eram gays. Mas confundir redes de conhecimento (mais ou menos legítimas) com lóbis organizados é perigoso. Todos nós temos redes de conhecimento a quem recorremos em situações diversas. Querer olhar para um caso em particular, isolar um factor e daí inferir uma lei geral é redutor. Ou será conveniente?

E se se preocupassem com os grupos de pressão organizados com muito dinheiro e interesses financeiros em áreas como a construção civil, branqueamento de capitais, fuga ao fisco ou tráfico de armas? Ainda estou à espera de descobrir acções deste secretíssimo, poderosérrimo e ameaçador lóbi gay.


Papa reconhece que há corrupção e lóbi gay no Vaticano


"Fala-se de lóbi gay e é verdade, ele existe", reconheceu

O Papa reconheceu a dificuldade da reforma da cúria romana ao referir-se a uma "corrente de corrupção" e à existência de um lóbi gay durante um encontro com religiosos latino-americanos.

A reforma da cúria, o Governo da Igreja católica, defendida por "quase todos os cardeais" nas reuniões preparatórias do último conclave, é um projeto "difícil", reconheceu o Papa numa reunião, a 06 de junho, com responsáveis da Confederação latino-americana e das Caraíbas dos religiosos e religiosas (CLAR).

Segundo uma síntese do que foi discutido nesse encontro de quase uma hora, revelada esta terça-feira pelo 'site' católico progressista Reflexão e Libertação, o papa acrescentou: "Na cúria, há pessoas santas, verdadeiramente, mas também há uma corrente de corrupção".

"Fala-se de lóbi gay e é verdade, ele existe", reconheceu ainda.

"Não posso fazer eu a reforma", continuou o chefe da Igreja Católica, que se confessou "desorganizado".

Esse será o trabalho da comissão de oito cardeais que o Papa nomeou e que deverá reunir-se pela primeira vez oficialmente em Roma no mês de outubro, acrescentou.


UE vai debater com EUA programa de vigilância PRISM


A Comissão Europeia está "preocupada" com as recentes notícias sobre o programa de vigilância PRISM e vai debater o tema com as autoridades norte-americanas na sexta-feira, disse hoje, em Estrasburgo, o comissário europeu Tonio Borg.

"A Comissão Europeia está preocupada com as notícias divulgadas recentemente na comunicação social de que os Estados Unidos da América [EUA] estavam a aceder a dados dos cidadãos europeus", afirmou o comissário europeu para a Saúde, num debate no Parlamento Europeu, lendo uma declaração em nome do executivo comunitário.

Tonio Borg disse que a Comissão Europeia quer esclarecimentos das autoridades norte-americanas e adiantou que a comissária para a Justiça, Viviane Reding, "vai tratar da questão com força e determinação na reunião ministerial entre a União Europeia (UE) e os EUA, na sexta-feira, em Dublin".

O comissário salientou ainda que "o caso PRISM, tal como apresentado na comunicação social, poderá reforçar as preocupações dos cidadãos europeus relativamente à utilização dos seus dados pessoais na internet".

fonte: Sol

Edward Snowden fugiu dos Estados Unidos depois de ter denunciado a existência do programa de espionagem com o nome de código PRISM


Edward Snowden fugiu dos Estados Unidos depois de ter denunciado a existência do programa de espionagem com o nome de código PRISM. Um sofisticado sistema da Agência Nacional de Segurança que permite intercetar dados de utilizadores de várias empresas como, por exemplo, o Facebook.

"A partir da minha secretária, eu podia aceder a informações quem quer que fosse, desde um juiz federal ao presidente, bastava ter o email pessoal" afirma Edward Snowden.

O informático de 29 anos refugiou-se em Hong-Kong, país que define com uma "forte tradição de liberdade de expressão" mas nem todos têm a mesma opinião.

"Penso que seria aconselhável deixar Hong-Kong porque temos acordos bilaterais com os Estados Unidos e temos a obrigação de respeitar esses acordos. Em Hong Kong não existe um vazio legal e penso que todos sabem disso" afirma Regina Ip, advogada e antiga secretária da Segurança.

Hong Kong e os Estados Unidos assinaram um acordo de extradição em 1996. Uma situação que para o professor universitário, Simon Young, não colide com os direitos de Snowden:

"Vir para Hong Kong foi, provavelmente, uma boa decisão não só porque temos leis de extradição que protegem os cidadãos - através do sistema judicial - mas também pela proteção dada aos requerentes de asilo."

Antes de abandonar os Estados Unidos, Snowden copiou os documentos que fez chegar à comunicação social. Diz que a passagem por Hong Kong é temporária e que o objetivo é pedir asilo à Islândia. Não exclui a hipótese de terminar os dias na cadeia por ter denunciado um programa que, afirma, permite intercetar "quase tudo", ou seja, chamadas telefónicas, emails e mensagens nas redes sociais.

fonte: Youtube

sábado, 8 de junho de 2013

Bilderberg de novo...


O encontro deste ano realiza-se em Grove Hotel, Hertfordshire,a norte de Watford, no Reino Unido

Está aí mais um encontro Bilderberg, que começou ontem, quinta-feira, dia 6 de Junho de 2013 e que se prolonga até domingo. Há muitas dúvidas e poucas certezas sobre estas reuniões, que levam quase seis décadas. Há quatro portugueses envolvidos este ano.

Afinal, o que é o grupo Bilderberg? Há quem lhe chame o Governo do mundo, capaz de orientar o rumo da economia, de influenciar governos e empresas e de condicionar a evolução de preços e transacções. Há quem digo que tudo isto é feito sem transparência democrática e até mesmo através de acções obscuras.
No sentido inverso, há quem garanta que não, que não passa de um grupo de reflexão, uma associação de elites - um "lobbie", é verdade, mas sem outros fins que não a discussão dos problema do mundo.

Para lá das dúvidas - tão bem geridas há 59 anos -, há a certeza de que o grupo não tem existência formal, nem organigrama. As reuniões são sempre fechadas à comunicação social e não são publicitadas nem promovidas.

Nos encontros Bilderberg estão presentes alguns dos homens mais poderosos do mundo ou seus representantes, mas apenas da Europa, Estados Unidos e Canadá. Ainda assim há registo de algumas excepções para russos, japoneses e chineses - gradualmente, a partir da década de 70.

O assento está garantido a banqueiros, milionários, donos das maiores companhias petrolíferas, magnatas da comunicação social, membros de algumas casas reais, presidentes de multinacionais - com destaque histórico para a indústria automóvel - e políticos - sejam eles presidentes, primeiros-ministros, ex-governantes ou funcionários europeus.

A reunião deste ano, que começa esta quinta e que acaba domingo nos arredores de Londres, vai ter quatro portugueses: Paulo Portas, António José Seguro, Durão Barroso e Francisco Pinto Balsemão. Vão ser dos poucos a saber realmente o que se passou lá dentro.

O primeiro português e o mais influente

O primeiro português a participar num encontro Bilderberg foi o embaixador Marcello Mathias, em 1963, nove anos após a primeira reunião do grupo. Ainda assim, a grande referência portuguesa é Francisco Pinto Balsemão, que marca presença ininterrupta desde 1981, sendo mesmo apontado como membro da cúpula dirigente da organização.

Foi o próprio Francisco Pinto Balsemão que organizou o único encontro realizado em Portugal, num hotel de luxo no concelho de Sintra, em 1999. É também ele que escolhe e convida anualmente os participantes portugueses.

Ao todo, somando já a estreia de António José Seguro este ano, já são 69 os lusos que passaram por estes encontros, sendo que alguns mais do que uma vez.

Durão Barroso, por exemplo, cumpre esta semana a sua quarta participação e Paulo Portas vai para a segunda. Para trás ficam as quatro vezes de Franco Nogueira, as três cada de Vítor Constâncio e António Guterres e as duas de Medeiros Ferreira, de Artur Santos Silva, de Faria de Oliveira, de Jorge Sampaio, de Ricardo Espírito Santo Salgado e António Borges.

O início

O primeiro encontro do grupo decorreu na cidade holandesa de Oosterbeek, em Maio de 1954. O palco da reunião foi o Hotel Bilderberg, nome que ficaria para sempre como designação do grupo.

O anfitrião – e considerado por isso o fundador – foi o príncipe Bernhard da Holanda, que contou desde logo com uma fortíssima presença de elementos ligados à casa Branca e ao Governo inglês.

Tendo como base os países da NATO, o objectivo era aproximar a Europa Ocidental e os Estados Unidos, lançando para a mesa a ideia de um futuro comum - os primórdios da globalização.

A ideia vingou e os encontros passaram rapidamente a ser dominados e geridos pelo império Rockefeler. Com raríssimas excepções, o grupo tem reunido pelo menos uma vez por ano, sempre em unidades hoteleiras de luxo e nos mais variados locais - dos dois lados do Atlântico.

Saibam quem são eles:


Alison Redford (Canada: Premier of Alberta)
Jürgen Trittin (Germany: Parliamentary Leader, Alliance 90/The Greens)
Soraya Sáenz de Santamaría (Spain: Vice President and Minister for the
Presidency)
Jutta Urpilainen (Finland: Minister of Finance
Christophe Béchu (France: Senator, and Chairman, General Council of Maine-et-Loire)
Nick Boles (Britain: Member of Parliament)
Kenneth Clarke (Britain: Member of Parliament, Lord Chancellor and Secretary of Justice)
Michael Noonan (Ireland: Minister for Finance)
Enrico Letta (Italy: Deputy Leader, Democratic Party)
Alexander Pechtold (Holland: Parliamentary Leader, Democrats ’66)
Mark Rutte (Holland: Prime Minister)
Jacek Rostowski (Poland: Minister of Finance)
Jorge Moreira da Silva (Portugal: First Vice-President, Partido Social Democrata)
Ali Babacan (Turkey: Deputy Prime Minister for Economic and Financial Affairs)
Mitchell Daniels, Jr. (US: Governor of Indiana)
John Kerry (US: Senator for Massachusetts)




Reino Unido recolhe secretamente informação americana


A agência de espionagem e segurança britânica, GCHQ, tem vindo a recolher secretamente dados de comunicação das maiores empresas americanas de Internet, com a colaboração da Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos. A notícia é avançada pelo The Guardian.

O jornal britânico teve acesso aos documentos que mostram os diversos acessos que a agência GCHQ teve ao programa americano de recolha de dados, PRISM, pelo menos desde Junho de 2010, acrescentando que com estes dados foram criados cerca de 200 relatórios de espionagem, apenas no ano passado.

A GCHQ recusou-se a fazer comentários sobre a situação, referindo apenas que levam as suas “obrigações legais muito a sério”.

O jornal britânico refere ainda que as provas sobre o envolvimento da GCHQ na recolha de informação secreta vieram do mesmo documento que serviu de base para o relatório feito pelo Washington Post sobre o PRISM.

fonte: Sol

“Não queria ser papa”


Santo Padre admitiu que sente dificuldades do cargo e voltou a denunciar as injustiças

O papa Francisco admitiu ontem, no Vaticano, perante milhares de jovens alunos e professores de escolas jesuítas, que sente muitas dificuldades no exercício do cargo e afirmou que não queria ser chefe da Igreja Católica.

"Deus não teria abençoado alguém que tivesse vontade de ser papa. E eu não queria ser papa", explicou o Santo Padre. E, quando questionado sobre a recusa de viver no apartamento pontifical, revelou que precisava de "viver rodeado de pessoas". Ainda sobre a sua renúncia a benefícios associados ao cargo, Francisco voltou a insurgir-se contra as injustiças e as assimetrias no Mundo. Aliás, no Twitter escreveu: "comida deitada fora é alimento roubado aos pobres".

Anonymous recebem 54 mil dólares para criar site de informação


A máscara associada aos Anonymous é uma presença regular nas manifestações de todo o mundo, incluindo Portugal RUI GAUDÊNCIO

Financiamento colectivo servirá para hackers lançarem site noticioso. Doações foram 27 vezes superiores ao esperado.

O site de informação “independente” prometido pelos Anonymous está mais próximo. A campanha de crowdfunding (financiamento colectivo) lançada no final de Março chegou ao fim com um valor largamente superior ao que o grupo de hackers considerava necessário para avançar com o projecto. O objectivo era angariar dois mil dólares, mas em pouco mais de dois meses receberam doações no valor total de 54.588 dólares (41.662 euros, ao câmbio actual).

Numa nota divulgada nesta segunda-feira, o grupo de hackers e activistas (hacktivistas) agradece a “paciência” dos seguidores, diz reconhecer que o timing “é crucial” para um projecto com este modelo de financiamento e promete uma data de lançamento “sólida” para o próximo comunicado. Para já, limita-se a revelar alguns aspectos do novo site.

“Temos estado a trabalhar arduamente para criar algo limpo e prático, mas também divertido de usar. O Twitter está fortemente integrado – o Facebook, nem por isso. Recentemente, decidimos abandonar definitivamente os comentários públicos e substituí-los por uma funcionalidade social de chat”, lê-se. “Também não iremos anexar automaticamente o nosso .com [endereço] ou o nosso nome de utilizador a tudo o que tweetam – porque somos elegantes”.

Your Anon News – será esse o nome do site. É o mesmo que os promotores deste projecto têm utilizado no Twitter e no Tumblr, ao longo dos últimos dois anos, para reunir e difundir informação “vital”, contornar os “constrangimentos” a que os media tradicionais estão sujeitos e separar esse bloco noticioso de relevo dos “mexericos políticos e de celebridades” que “inundam” esses meios. O que pretendem agora é passar de agregadores a produtores.

Quando lançou a campanha de financiamento colectivo, o grupo prometia “criar um novo ambiente onde o conteúdo não é apenas determinado por fontes externas”, com “os melhores jornalistas independentes online” a acompanhar de forma permanente e aprofundada as notícias mais importantes. O “humilde” objectivo de angariar dois mil dólares foi traçado nessa altura, reconhecendo que só para pagar os servidores seriam necessários 3600 dólares.

Com um valor 27 vezes superior ao estipulado inicialmente, oshacktivistas por detrás do Your Anon News ganham força – e mais atenção – para pôr em marcha o seu plano: “É tempo de darmos as verdadeiras notícias, a toda a gente”. A participação popular também está prevista. O jornalismo-cidadão fará parte do processo noticioso do Your Anon News, com os contributos a serem seleccionados de acordo com critérios de “qualidade, autenticidade e relevância”.

Os Anonymous são um movimento global, aparentemente descentralizado e sem rosto. “Um site de notícias do Your Anon News pode ser algo como a Internet nunca viu, se decidir ignorar muitos dos princípios éticos endossados, mas às vezes esquecidos, pelos jornalistas tradicionais”, escreve o The Next Web. A esse respeito, a Businesseeek sublinha, num tom sarcástico, que “ainda nada foi dito sobre a política [do site] em relação a fontes anónimas”.

Recorde-se que os Anonymous retiraram o seu apoio ao WikiLeaks em Outubro de 2012. “Era uma grande ideia, arruinada por egos”, justificou então um dos elementos associados ao grupo.

fonte: Público

EUA espiam através do Google, Facebook e Apple


Fotografia © Gerardo Santos/ Global Imagens

O governo de Barack Obama tem acesso a dados dos servidores das mais poderosas empresas de Internet, nomeadamente Google, Microsoft, Facebook e Apple.

Um documento confidencial da agência norte-americana de Segurança Nacional dos EUA, divulgados pelo jornal britânico "The Guardian" e pelo norte-americano "The Washington Post", mostra que têm acesso a mails, fotografias, transferência de arquivos, vídeos e conversas através dos servidores de nove empresas: Microsoft, Yahoo, Google, Facebook, PalTalk, AOL, Skype, YouTube e Apple.

O programa secreto, cujo nome de código é PRISM, está em vigor há sete anos (nasceu durante a administração Bush no pós-11 de Setembro). Permite aceder aos servidores destas empresas, usadas em todos os pontos do globo, para reunir informação sobre os utilizadores, nomeadamento que estão no estrangeiro ou os cidadãos norte-americanos que estabeleçam contactos com cidadãos de outros paíse.

O documento, um powerpoint que tudo indica servirá para treinar agentes da NSA, afirma que estas informações estão a ser reunidas com o consentimento das empresas envolvidas. No entanto, algumas das empresas contactadas pelo "The Guardian" neguem que estejam a colaborar com a agência. "O Google preocupa-se imensamente com a segurança dos dados dos nossos utilizadores. Disponibilizamos informação de acordo com a lei, e analisados todos os pedidos cuidadosamente. Ciclamente, alegam que criámos uma "porta dos fundos" para o governo entrar nos nosos sistemas, mas o Google não tem uma porta dos fundos para que o governo aceda a informação dos utilizadores", responde, em comunicado, a empresa.

Um porta-voz da Apple, detentora dos equipamentos e software de iphones e ipads, disse que nunca tinha ouvido falar do PRISM.

O "The Wahington Post" adianta que o documento foi revelado por um antigo agente dos serviços de informações, que forneceu documentação, entre a qual uma apresentação em 'powerpoint' usada na formação de agentes, descrevendo a parceria entre a NSA e as empresas da internet.

A administração de Barack Obama teve hoje de justificar as razões para ter mantido, em segredo, a continuação de um programa primeiro conhecido há sete anos, no tempo do antecessor George W. Bush.

Josh Earnest, um porta-voz da Casa Branca, disse aos jornalistas, a bordo do avião Air Force One, que Barack Obama saúda o debate entre segurança e liberdades cívicas, mas está determinado a utilizar todas as ferramentas possíveis para manter a segurança nacional.

A revelação já foi criticada por organizações defensoras das liberdades individuais e da privacidade, que acusam o Governo de espiar os cidadãos.

Já deputados e legisladores asseguram que esta medida está protegida pela controversa Lei Patriota, adotada após os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos.



NSA está a gravar milhões de telefonemas de cidadãos

Espionagem do governo dos EUA na internet, a rede mundial de computadores tem o fluxo de dados rastreada pelo governo americano, dados das redes sociais e emails violados.

Pela primeira vez, a Agência de Segurança Nacional (NSA) está a gravar indiscriminadamente milhões de telefonemas de cidadãos norte-americanos, sejam ou não suspeitos de alguma coisa.

A Agência de Segurança Nacional (NSA) está a gravar milhões de telefonemas de clientes da Verizon, uma das maiores operadoras de telecomunicações dos Estados Unidos, devido a uma decisão secreta dos tribunais tomada em abril.

Segundo o jornal britânico "The Guardian", a ordem foi dada para os serviços secretos norte-americanos acederem à base de dados da Verizon, de forma a que a NSA possa recolher informações sobre todos os telefonemas que se fazem dentro dos Estados Unidos, bem como para países estrangeiros. O documento, ao qual o jornal teve acesso, revela pela primeira vez, durante a administração Obama, que milhões de telefonemas efetuados pelos norte-americanos estão a ser gravados e recolhidos de forma indiscriminada, independentemente de os visados serem ou não suspeitos de algo.

A ordem, assinada pelo juíz Roger Vinson, concede ao governo dos Estados Unidos uma "autoridade ilimitada" para aceder aos dados que considerar necessários durante um período de três meses, que termina a 19 de julho deste ano.

Conforme os termos da decisão, serão registados os números de telefone, tanto de quem fez a chamada como do destinatário, as suas localizações, a duração da chamada, a identificação dos intervenientes e os dias e horas em que as chamadas foram efetuadas. O conteúdo privado das conversas telefónicas também não estará protegido.

A medida não é comum nos Estados Unidos, uma vez que a NSA só costuma ter autorizações do género quando existe um suspeito específico ou a probabilidade de alguma ameaça para a segurança do país.

O "Guardian" contactou a NSA, a Casa Branca e o Departamento da Justiça para tentar perceber a razão da medida mas todos recusaram comentar. Um porta-voz da sede da Version em Washington também recusou fazer qualquer comentário para o jornal britânico.


segunda-feira, 3 de junho de 2013

Faça login a partir do seu estômago


A Motorola quer colocar chips nos nossos estômagos que sirvam como método de aceder a todos os aparelhos tecnológicos. Com este novo sistema nunca mais terá de memorizar passwords.

Idealmente cada um de nós terá uma password diferente para as várias contas de e-mail pessoais e de trabalho, Facebook, YouTube, LinkedIn, Blogspot... enfim, para qualquer site que necessite de um login.

Memorizar todas as palavras-chave ocupa demasiada memória e não são raras as vezes em que não conseguimos lembrar-nos dos acessos. E se houver uma maneira orgânica de o fazer? E se lhe bastasse engolir um chip de computador?

Durante a D11, uma conferência de inovação tecnológica que decorreu na semana passada, a responsável pela equipa de tecnologia da Motorola, Regina Dugan, apresentou a ideia inovadora de haver um pequeno comprimido no nosso estômago que, quando ativado, funcione como palavra-chave para aceder a qualquer smartphone, portátil, gadget ou qualquer outro aparelho onde tenhamos informação pessoal.

Caso esta ideia passe das mentes inovadoras para os nossos estômagos, irá simplificar bastante o processo de acesso a todos aparelhos, permitindo esvaziar a nossa mente com os mais variados caracteres que compõem cada password e transportar-nos para o futuro.

“A autenticação é irritante”, disse Dugan durante a conferência. “É tão irritante que apenas metade das pessoas o fazem, apesar de toda a informação pessoal que têm nos smartphones”.

Esta pílula tecnológica será ativada dentro do estômago de quem a ingerir, podendo ser ligada e desligada com o toque da pessoa junto do aparelho em questão. Mas esta seria uma necessidade diária, já que o chip com os nossos dados acabaria por ser expelido pelo nosso organismo.

Este tipo de tecnologia ingerível já anteriormente foi aprovada pela FDA (organização norte-americana que gere a alimentação e medicação), mas aplicada a casos de medicina, como, por exemplo, sensores que registam os horários de quando alguém tomou os seus comprimidos.

“Todas as manhãs, tomo vitaminas e de vez em quando alguns comprimidos, porque não juntar mais um?” questionou Regina Dugan.

De qualquer forma, este pode ser um método de tentar facilitar um processo complexo, que nos obriga a memorizar vários códigos e associá-los a determinados sites. Poderá não ser a melhor solução, mas é sem dúvida uma forma da Motorola dar um passo em direção ao futuro.


Os bilderbergs e o plano de morte global


fonte: Youtube

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Complexos militares secretos expostos


Investigador brasileiro liberta informações e materiais acumulados durante mais de um ano de investigação. O material expõe o complexo sistema de instalações militares secretas dos EUA. É composto por fotos tiradas por satélite e revela, no território de Nevada, um complexo sistema de instalações, compostas por laboratórios de pesquisa científica, áreas de teste militar, áreas de teste de mísseis, instalações subterrâneas, observatórios astronómicos, pistas e aeroportos clandestinos, estacionamento de veículos militares e etc. O material é inédito, não se tem noticia ainda de nada parecido na internet e por isso é algo que merece ser visto com atenção.

fonte: Youtube

terça-feira, 7 de maio de 2013

Rede 4G: Internet mais rápida e estável com velhas limitações


O serviço é anunciado como “tráfego ilimitado”, mas, ao ultrapassar os 15 GB de download por mês, a velocidade pode descer drasticamente. Preço e condições dos tarifários das 3 operadoras principais são cópias quase exatas.

Na Europa, Portugal é pioneiro na tecnologia LTE (Long Term Evolution ou Evolução de longo prazo). Também designada de 4.ª geração móvel, a 4G já está a funcionar, mas com uma cobertura ainda muito restrita. Através de ferramentas online e software de medição, testámos o primeiro serviço de quarta geração móvel disponível, na versão mais rápida, o Vodafone Best Net 4G 100, em Lisboa.

Comparámos o novo com o serviço móvel mais rápido até ao lançamento da tecnologia 4G, o Best Net Top+ da Vodafone, que utiliza tecnologia HSPA+ a 43,2 Mbps. Com a 4G, a velocidade de download quase triplica e a de upload aumenta mais de 7 vezes.


Valores máximos. Comparação do novo serviço com os mais rápidos até agora: HSPA+ a 21,6 Mbps, na Optimus, TMN e Vodafone, e HSPA+ a 43,2 Mbps, só na Vodafone.

O desempenho do Best Net 4G 100 fica aquém das velocidades máximas anunciadas. Registámos a velocidade máxima de download de 48 Mbps, contra os 100 Mbps anunciados, e a velocidade máxima de upload de 30 Mbps, quando o anunciado são 50 Mbps. Os valores máximos mais frequentes nos locais de teste foram cerca de 35 Mbps para o download e 12 Mbps para o upload.

No tempo de resposta de rede (ou latência) verificámos uma melhoria significativa face aos serviços de terceira geração.


Serviço rápido mas só até aos 15 GB por mês


Nesta primeira fase, a 4G já foi lançada pelas 3 operadoras principais e promete: velocidade de 150 Mbps no download (embora os equipamentos disponíveis não permitam mais de 100 Mbps) e de 50 Mbps no upload, tempo de resposta de rede reduzido, ligações mais estáveis e melhor sinal.

Mas por agora só está disponível em Lisboa, Porto e nas freguesias mais centrais das capitais de distrito do País. Para saber se a sua zona está abrangida, a Optimus, TMN e Vodafone dispõem de ferramentas online. Contudo, a informação é incompleta, pois indica só a disponibilidade da tecnologia 4G num local da freguesia selecionada, sem mencionar a real localização ou extensão.

Tal como os serviços 3G mais rápidos, anunciados como “ilimitados”, os 4G parecem tentadores para quem descarrega muitos ficheiros. Mas podem também estar limitados a 15 GB por mês, porque as operadoras reservam-se o direito de aplicar essa restrição a bem da qualidade e integridade da rede. Ultrapassados os 15 GB, as operadoras descem a velocidade para valores que não podem ser considerados de navegação de banda larga, como 128 Kbps (indica a TMN), o que é inaceitável.

Esta medida é divulgada de forma discreta na página dos tarifários, numa pequena nota de rodapé, no caso da TMN e da Vodafone, ou nas condições gerais de utilização da Optimus. A situação começa a ser flagrante com o aumento considerável da velocidade: em teoria, se a velocidade média de download dos serviços que anunciam 100 Mbps de velocidade máxima for 25 Mbps, um quarto do valor, os 15 GB não chegam nem para uma hora e meia de utilização contínua.


Tarifários e condições iguais entre operadoras


As condições e preços dos tarifários das três operadoras são cópias quase exatas, prática contínua que prejudica a concorrência. A Autoridade da Concorrência deve pôr fim a esta situação.

Com mensalidades superiores a € 49, os preços não são reduzidos. Todas as opções são mensalidades pós-pagas, o que não é vantajoso para um utilizador pouco intensivo ou perto da média.

Para computadores e tablets, os serviços com velocidade de download de 50 Mbps custam € 49,90 por mês, na Optimus, e € 49,99 por mês, na TMN e Vodafone. Nas três operadoras, o acesso ao serviço implica ainda a compra de uma pen, por 159,90 euros. Com o desconto de fidelização por 24 meses, a mensalidade fica a € 24,90 e a pen custa 79,90 euros. Os tarifários para download a 100 Mbps custam mais € 10 e mais € 5, se aderir à promoção e ficar com o plano durante 2 anos.

Para telemóveis, os tarifários pós-pagos disponíveis têm custos mensais de pelo menos € 30, para um utilizador médio. No caso da Optimus, ultrapassam os 50 euros.

A TMN/Meo e a Optimus possibilitam partilhar o acesso à Net entre diferentes equipamentos, por mais € 15 por mês (computador e tablet). Na maioria dos tarifários 4G para smartphone da TMN, por mais € 7,50 por mês, também pode partilhar o plafond de Internet do smartphone com o computador ou tablet.

Foram também lançados smartphones 4G que vamos incluir nos nossos testes e no Comparar e Poupar.

A Vodafone disponibiliza o HTC Velocity LTE, por € 499,90 na sua loja online. Com os tarifários Best fica mais barato: a partir de € 49,90 com o Best Top, mas este exige exige uma mensalidade de 103,10 euros. A TMN vende o Samsung Galaxy S II LTE também por € 499,90 na sua loja online, mas também terá de escolher o tarifário tmn unlimited 100 com uma mensalidade de 103,10 euros. Com os tarifários unlimited custa a partir de 49,90 euros. Na Optimus, o mesmo equipamento da Samsung custa € 649,90, mas também pode comprá-lo por € 199,90 ou € 399,90, consoante o tarifário (Smart 60 4G ou Smart 30 4G).

O tablet 4G Samsung Galaxy Tab 8.9 LTE custa € 559,90 na loja online da TMN e € 569,90 na Vodafone.


Revista RollingStone: "Os teóricos da conspiração do mundo, nós céticos lhe devemos um pedido de desculpas. Vocês estavam certos"


Os teóricos das conspiraçôes do mundo, os crentes nas mãos ocultas dos Rothschilds e os maçons e os Illuminati, nós cépticos lhe devemos um pedido de desculpas. Vocês estavam certos.

Os jogadores podem ser um pouco diferente, mas a sua premissa básica é correta: O mundo é um jogo manipulado. Encontramos isso nos últimos meses, quando uma série de histórias de corrupção relacionadas foi derramada para fora do setor financeiro, sugerindo que os maiores bancos do mundo fixam os preços dos bens e em quase tudo.

Você já deve ter ouvido falar do escândalo Libor, em que pelo menos três - e, talvez, dezesseis [too-big-to-fail] dos bancos têm manipulado as taxas de juros globais, no processo de brincar com os preços de para cima de US $ 500 triiões (que é trilião, com um "t") no valor de instrumentos financeiros.

Quando isso foi se alastrando explodiu em vista do público no ano passado e foi facilmente o maior escândalo financeiro da história - professor do MIT Andrew Lo ainda disse que "supera em ordens de magnitude de qualquer fraude financeira na história dos mercados”.

Isso era mau o suficiente, mas agora Libor pode ter um irmão gémeo.

Palavra vazou quando o ICAP uma empresa com sede em Londres, a maior corretora do mundo de swaps em taxa de juros é investigada por autoridades norte-americanas para o comportamento que soa estranhamente ao da confusão Libor.

Reguladores estão investigando se um pequeno grupo de corretores da ICAP podem ter trabalhado com até 15 dos maiores bancos do mundo para manipular as taxas ISDAfix, num número de referência utilizado em todo o mundo para calcular os preços dos swaps de taxa de juros.

Swaps de taxa de juros é uma ferramenta usada por grandes cidades, grandes corporações e governos soberanos para gerir a sua dívida e a escala do seu uso é quase inimaginavelmente grande.

Trata-se de um mercado de 379 triliões de dólares, o que significa que qualquer manipulação afetaria uma pilha de ativos de cerca de 100 vezes o tamanho do orçamento federal dos Estados Unidos.

Ela não deve surpreender ninguém que entre os jogadores envolvidos neste esquema para fixar os preços dos swaps de taxa de juros são as mesmos mega-bancos - incluindo o Barclays, UBS, Bank of America, JPMorgan Chase e do Royal Bank of Scotland - que servem de painel na Libor que define as taxas de juros globais.

De facto, nos últimos anos, muitos desses bancos já pagaram assentamentos em milhões de dólares para a manipulação anticompetitiva de uma forma ou de outra (além de Libor, alguns foram apanhados num esquema anticompetitivo, detalhado na revista Rolling Stone no ano passado , a plataforma de leilões a serviço municipal de dívida).

Apesar da confusão de siglas financeiras soa como jargão para o leigo, o facto de que há agora os escândalos de fixação de preços, envolvendo tanto a Libor e ISDAfix que sugere uma única gigante conspiração, proliferação de conluio e de fixação de preços pairando sob o verniz ostensivamente competitivo do Muro da cultura de rua.

O esquema Wall Street aprendeu com a Mafia

Por quê? Porque Libor já afeta os preços dos swaps da taxa de juros, tornando esta uma situação de manipulação-on-manipulação. Se as alegações revelar-se bem, isso significa que clientes de swap têm vindo a pagar por duas camadas diferentes de corrupção de fixação de preços.

Você pode imaginar: pagar 20 dólares por uma PB porcaria & J porque alguns das empresas do agronegócio conspiraram para fixar os preços de ambos os amendoim e manteiga de amendoim, você chegou perto de compreender a loucura dos mercados financeiros, onde ambas as taxas de juros e swaps de taxa de juros são sendo manipulados ao mesmo tempo, muitas vezes com os mesmos bancos.

"É uma dupla conspiração", diz um espantado Michael Greenberger, ex-diretor da divisão de comércio e mercados da Commodity Futures Trading Commission e hoje professor na Universidade de Maryland. "É a altura da criminalidade."

As más notícias não param com swaps e taxas de juros. Em março, ele também saiu com dois reguladores - a CFTC aqui nos EUA e a Organização Internacional das Comissões de Valores de Madri - foi estimuladas pelas revelações da Libor para investigar a possibilidade de manipulação de conluio de preços do ouro e da prata.

"Tendo em conta os esforços de manipulação do ‘clubby’ que vimos na Libor benchmarks, eu assumo outros benchmarks - muitas outras referências - são áreas legítimas de investigação", CFTC disse o comissário Bart Chilton.

Mas a maior surpresa veio de um tribunal federal, no final de Março - mas se você acompanhar de perto estas questões, pode não ter sido tão chocante em tudo - quando um marco de ação coletiva a ação civil contra os bancos por delitos relacionados na Libor.

Nesse caso, um juiz federal aceitou o incrível argumento dos banqueiros-réus: Se as cidades e outros investidores perderam dinheiro por causa da manipulação da Libor, que era sua própria culpa para sempre pensando que os bancos estavam competindo em primeiro lugar.

"A farsa", foi a resposta de um advogado antitruste para a demissão da sobrancelha de fundos.

"Incrível", diz Sylvia Sokol, advogada de Constantino Cannon, uma empresa especializada em casos antitruste.

Todas estas histórias apontou coletivamente a mesma coisa: Esses bancos, que já possuem um enorme poder apenas em virtude de suas participações financeiras - nos Estados Unidos, os seis principais bancos, muitos deles os mesmos nomes que você vê na Libor e ISDAfix painéis, os bens próprios de montante equivalente a 60 por cento do PIB do país - estão começando a perceber as possibilidades incríveis para aumentar seus lucros e poder político que viria com conivente em vez de competir.

Além disso, é cada vez mais claro que tanto o sistema de justiça criminal e os tribunais civis pode ser impotentes para dete-los, mesmo quando eles são apanhados a trabalhar em conjunto para o sistema de jogo.

Se for verdade, que nos deixaria viver em uma era de indisfarçável, conspiração do mundo real, em que os preços das moedas, commodities como ouro e prata, até mesmo as taxas de juros e o valor do dinheiro em si, pode ser e pode já ter sido ditada a partir de cima.

E aqueles que estão fazendo isso podem ir longe com ele. Esqueça os Illuminati - esta coisa é real, e não é nenhum segredo. Você pode olhar diretamente para ele, a qualquer hora que você quiser.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...