Watch live streaming video from occupynyc at livestream.com

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Imagens e mensagens nas redes sociais sobre explosão na China foram censuradas


VÍDEO. Redes sociais controladas, televisões chinesas que continuaram a transmitir telenovelas e jornalistas estrangeiros com trabalho limitado são algumas das queixas conhecidas.

O governo chinês tentou censurar muita da informação sobre a explosão em Tiajin, na China, principalmente a que estava a ser transmitida através das redes sociais. Segundo a BBC, o site freeweibo.com - que regista o conteúdo que é apagado do weibo, rede social chinesa idêntica ao Twitter - diz que os quatro assuntos com mais mensagens apagadas eram sobre o que estava a acontecer em Tiajin.

E enquanto se verificava censura nas redes sociais, as televisões também não estavam a fazer a cobertura do que estava a acontecer. A opção terá sido passar telenovelas. O The Global Times escreve que somam-se as críticas ao governo chinês, dando o exemplo que a televisão de Tiajin "continuava a passar telenovelas coreanas dez horas após o incidente".

O The Guardian avança que uma base de dados online da empresa envolvida na explosão que matou pelo menos 50 pessoas, aparenta ter sido desativada, tornando impossível identificar os responsáveis.

Também os jornalistas estrangeiros não tiveram vida fácil. O exemplo mais notório acabou por ser o da CNN, quando o repórter foi rodeado por alguns homens durante um direto, sendo obrigado a interromper a transmissão, quando estava no hospital de Tiajin (ver vídeo a partir do 1:40 minuto).

Há ainda relatos que também os fotógrafos viram o seu trabalho limitado, com as autoridades a não permitir imagens ou então a forçarem que as fotografias já tiradas fossem apagadas.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...